Conselheiro Nominando deixou bem claro: Estado não tem nada a ver com os desvios da Cruz Vermelha




O relator do processo que julgou as contas da Cruz Vermelha no Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), Nominando Diniz, ao votar pela reprovação das despesas e imposição de multa milionária ao diretor presidente da organização social, Ricardo Elias Restum, destrinchou a responsabilidade direta da mesma no mau uso de recursos públicos.

De acordo com Nominando, é de responsabilidade da OS a prestação de contas e elaboração de relatórios com as metas propostas e os resultados obtidos, acompanhados dos demonstrativos financeiros, “não havendo menção direta quanto à responsabilidade do Titular da Pasta [Waldson de Souza] sobre a ordenação das despesas realizadas pela organização social”.

Nominando pontua ainda que o artigo 70 da Constituição Federal versa sobre a responsabilidade de pessoas físicas ou jurídicas que administrem recursos públicos de assumir “obrigações de natureza pecuniária” e, portanto, a Cruz Vermelha “é diretamente responsável pelo mau uso do dinheiro público e seus representantes estão sujeitos à responsabilidade pelos danos causados ao erário e todas as penalidades e conseqüências jurídicas de seus atos nas diversas esferas do Direito”.

O relator lembra ainda que, em que pese uma “falha sistemática em acompanhar com maior rigor as operações realizadas pela CVB-RS”, desde 2015 a Secretaria Estadual de Saúde publica no portal da transparência do Governo do Estado da Paraíba informações atualizadas e detalhadas dos gastos de cada entidade. Além disso, Waldson de Souza, em 2013, quando ainda era secretário de Saúde, instituiu uma comissão de avaliação e fiscalização das organizações sociais, “o que representou providência de natureza efetiva no sentido do controle das ações das Organizações Sociais contratadas pela Secretaria de Estado da Saúde”.(do Paraibaja)




Comentários


Comentar


Sidebar Menu