Denunciado, Temer oferece jantar a seus juízes




Josias de Souza
Karime Xavier/Folha

Michel Temer convidou os 33 ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para jantar no Palácio do Jaburu nesta quarta-feira (7), às 20h. O convite não menciona a motivação. A partir de janeiro de 2019, os magistrados que dividirão a mesa com o presidente podem ter que julgá-lo na condição de réu em processos por corrupção.

Faltam 54 dias para Temer desocupar a Presidência da República. Cercado por duas denúncias da Procuradoria-Geral da República e dois inquéritos criminais (portos e Odebrecht), Temer assistirá à migração dos seus processos do Supremo Tribunal Federal (STF) para a primeira instância do Judiciário.

Submetido aos rigores de juízes de primeiro grau, Temer terá no STJ uma instância à qual poderá recorrer em caso de prisão ou de condenação. Além de Temer, encontram-se enroscados em processos judicias seus amigos e ministros Eliseu Padilha (Casa Cvil) e Moreira Franco (Minas e Energia).

As peculiaridades penais que envenenam a cena política levaram ministros do STJ a estranhar o convite para o repasto do Jaburu. Foi nesse palácio que Temer e seus auxiliares receberam Marcelo Odebrecht. Convidado para o jantar, o executivo da maior empreiteira do país foi mordido em R$ 10 milhões.

Foi no Jaburu também que Joesley Batista, da JBS, captou o áudio que converteu Temer em matéria-prima para duas denúncias do ex-procurador-geral Rodrigo Janot. Desde então, o governo Temer converteu-se numa espécie de epílogo hipertrofiado. Congeladas pela Câmara, as denúncias sairão do freezer assim que terminar o mandato.

Os ministros do STJ interessados em jantar com Temer estão sendo instados a confirmar a presença. As despesas da repasto correm por conta do contribuinte brasileiro que estiver em dia com suas obrigações fiscais.

 

 




Comentários


Comentar


Sidebar Menu