Líder do PSL que prometeu ‘implodir’ Bolsonaro recua e diz não ter nada contra o presidente

 
Delegado Waldir foi questionado sobre áudio no qual também chama presidente de ‘vagabundo‘. ‘Somos que nem mulher traída. Apanha, não é? Mas mesmo assim volta ao aconchego‘, afirmou

O líder do PSL na Câmara, deputado Delegado Waldir (PSL-GO), afirmou nesta quinta-feira (17) não ter “nada” para usar contra o presidente Jair Bolsonaro. Disse também querer “pacificar” a bancada do partido.

Waldir deu a declaração ao ser questionado sobre a gravação na qual afirmar querer “implodir” Bolsonaro, a quem chamou de “vagabundo”. Ele participava de um almoço do presidente do PSL, Luciano Bivar, com aliados.

Bolsonaro fez uma transmissão ao vivo em uma rede social na noite desta quinta-feira, mas não comentou a crise envolvendo o PSL.

Segundo Waldir, a declaração, dada em meio à crise que atinge o PSL, foi feita em um “momento de emoção”.

“O que o senhor tem para implodir o presidente?”, indagou um jornalista.

“Nada. É só questão de… É uma fala de emoção, né? Um momento de sentimento”, respondeu o líder.

“É uma fala num momento de emoção, né? É uma fala quando você percebe a ingratidão. Tenho que buscar as palavras. Tenho que buscar as palavras”, acrescentou.

Questionado, então, se a crise passou, Delagado Waldir respondeu: “Nós somos Bolsonaro. Nós somos que nem mulher traída. Apanha, não é? Mas mesmo assim ela volta ao aconchego”.

Na sequência, o deputado declarou ser possível “pacificar” a bancada do PSL. Segundo ele, os 53 parlamentares votarão “integralmente” conforme os interesses do governo.

“Não tem nenhuma ruptura, não tem nenhuma perseguição, não tem nada”, completou. Com informações do G1.


Prefeitura de JP desapropria prédio na esquina do Ponto de Cem Réis para instalação de shopping popular


O prefeito Luciano Cartaxo declarou de utilidade pública para fins de desapropriação o imóvel com cinco pavimentos localizado na avenida Padre Meira, esquina com o Ponto de Cem Réis.

O Edifício Nações Unidas possui áreas de loja no térreo e salas nos quatro andares superiores (Foto: Reprodução)
A Prefeitura de João Pessoa pretende instalar mais um Shopping Popular no centro da cidade para abrigar os comerciantes informais. De acordo com a edição desta quarta-feira (16) do Semanário Oficial, o prefeito Luciano Cartaxo declarou de utilidade pública para fins de desapropriação o imóvel com cinco pavimentos localizado na avenida Padre Meira, esquina com o Ponto de Cem Réis.

De acordo com o decreto, o Edifício Nações Unidas possui áreas de loja no térreo e unidades definidas como salas para diversos usos nos quatro andares superiores. Ao todo, seriam 54 unidades, conforme foi apurado pela reportagem do ClickPB. Além disso, o prédio também conta com áreas de circulação, um elevador e um subsolo.

A área a ser desapropriada ficaria sob a responsabilidade da Prefeitura Municipal de João Pessoa. No local, a Secretaria de Desenvolvimento Urbano deverá criar um novo Shopping Popular.

O total de recursos que deverá ser utilizado para possibilitar a desapropriação do imóvel não foi divulgada ainda. No entanto, o prefeito determinou que a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e a Procuradoria Geral do Município ficam autorizadas a adotar as providências necessárias à desapropriação amigável ou judicial do imóvel ora declarado de utilidade pública.


Laudo afirma que menina Raíssa foi estuprada antes de ser morta


As informações constam no laudo necroscópico feito pela Polícia Científica e pelo Instituto Médico Legal, ao qual a reportagem teve acesso.

Por ALFREDO HENRIQUE/FOLHAPRESS
Um adolescente de 12 anos permanece internado acusado pelo crime, que ele confessou, segundo a polícia. (Foto: Reprodução)
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A menina Raíssa Eloá Capareli Dadona, 9 anos, encontrada morta amarrada em uma árvore em 29 de setembro na zona norte da capital paulista, foi estuprada antes de ser assassinada por estrangulamento.

As informações constam no laudo necroscópico feito pela Polícia Científica e pelo Instituto Médico Legal, ao qual a reportagem teve acesso. Um adolescente de 12 anos permanece internado acusado pelo crime, que ele confessou, segundo a polícia.

Segundo o documento, concluído no último dia 11, Raíssa morreu em decorrência de asfixia mecânica, por obstrução das vias respiratórias, enforcamento e sufocação direta - ela ficou sem respirar após ter o pescoço pressionado.

Além disso, a perícia também encontrou sêmen na vítima. Peritos concluíram também que um objeto foi introduzido na menina.

O laudo necroscópico ainda atesta que o corpo de Raíssa apresentava lesões em todo o corpo decorrentes de mais de um tipo de instrumento contundente, de diferentes gravidades, resultantes de espancamento, indicando "sofrimento aplicado à vítima nos momentos que antecederam a morte", diz trecho do documento.

O laudo diz também que não foram encontradas "lesões típicas de defesa", indicando que a menina apanhou sem tentar ou conseguir se defender.

LEIA MAIS: Garoto diz em depoimento que brincou com menina antes de matá-la

Os peritos ainda aguardam os resultados de exames de "pesquisa de espermatozoide" do material que foi coletado no corpo de Raíssa. Eles podem ajudar a identificar a pessoa que abusou sexualmente da criança.

O crime Antes de ser encontrada morta, Raíssa estava com sua mãe em uma festa no CEU (Centro de Educação Unificada) Anhanguera, na região de Perus (zona norte), quando desapareceu. Seu corpo foi encontrado cerca de uma hora depois amarrado em uma árvore no parque Anhanguera.

Imagens de uma câmera de monitoramento mostram Raíssa e o adolescente, que foi apreendido, caminhando de mãos dadas momentos antes de a menina ser assassinada. Em depoimento, segundo a polícia, o menor afirmou que brincou com a menina antes de matá-la. A polícia investiga se o menor foi ajudado por outra pessoa a realizar o crime.

O delegado Luiz Eduardo Marturano afirmou no mês passado que o menor, após brincar com a menina, a agrediu com socos no rosto. "Depois ele disse que a empurrou para uma árvore, a amarrou [na região do pescoço] e a agrediu novamente", afirmou o policial na ocasião.

Ele acrescentou que a menina estava consciente quando foi amarrada com um tipo de fio. E que voltou a ser espancada, desta vez com um pedaço de madeira. O objeto, no entanto, não foi localizado. Após as agressões, Raíssa foi asfixiada e enforcada.

 

Clickpb.com.br

 

 


Bruno afirma ter apoio de vereadores de Romero para disputar PMCG


Prestes a se encontrar com o ex senador Cássio Cunha Lima (PSDB), para discutir a sucessão municipal de 2020, o ex-deputado Bruno Cunha Lima, e atual secretário-chefe do Gabinete do Prefeito de Campina Grande, continua pavimentando a sua pré-candidatura a Prefeitura Municipal da cidade.

Em entrevista a Rádio Panorâmica FM, Bruno garante que mantém uma relação de amizade com muitos dos vereadores que compõem a Câmara Municipal da cidade e agradeceu as manifestações de parceria que tem recebido por parte de diversos parlamentares campinenses.

Ele frisou, que tem conhecimento de que muitos vereadores que fazem parte da base do prefeito Romero Rodrigues (PSD) apoiam a sua pré-candidatura a prefeito de Campina Grande em 2020.

PB Agora


Vazamento seletivo, prisão preventiva, colaboração premiada: os métodos da Operação Calvário, a irmã mais nova da Lava Jato


Por Flávio Lúcio


A Operação Calvário voltou à carga na última semana, depois de alguns meses de republicano silêncio, retomando o métodos que marcatsm as estratégias de investigação de sua irmã mais velha, a Lava Jato, que, até a aceitação do convite para ser o Ministro da Justiça de Jair Bolsonaro, foi conduzida pelo então juiz Sérgio Moro.

Mais estranho ainda foi que esse retorno espetacularizado, com prisões de discutível legalidade e vazamentos seletivos, foi precedido de uma campanha da mídia bolsonarista local, que chegou mesmo a duvidar da idoneidade funcional da PF e do Gaeco, e receber um constangido silêncio como resposta.

É duro anotar, mas impressiona como o estilo Moro-Dallagnol ainda encantar parte do Ministério Público e muitos juízes no Brasil – daí a razão para a violenta e organizada reação ao projeto de abuso de autoridade.

A Operação Calvário voltou em alto estilo, com a prisão espalhafatosa do ex-secretário Ivan Burity, acompanhada por uma equipe de jornalistas do G1, que pertence ao grupo Globo-Sistema Paraíba. O verdadeiro faro para essas ações policiais do pessoal da Globo local é um fato que merece ser estudado: às 6h45 da manhã do dia em que foi deflagrada a operação, a turma do Sistema Paraíba já estava a postos para colocar no ar uma notícia recheada de detalhes, imagens e vídeos, o que mostra a ocorrência de vazamentos, que, estranhamente não acontecem em outras “operações”.


Às 6h45 o G1 já anunciava a prisão de Ivan Burity. Premonição?

E qual o sentido do desembargador Ricardo Vital quebrar o sigilo de uma investigação em curso? Essa atitude, que se tornou prática corriqueira em parte da Justiça brasileira nos últimos anos, não expõe desnecessariamente indivíduos à execração pública antes de sua culpabilidade fique demonstrado? Não é uma maneira de antecipação do julgamento?

Não vou me alongar aqui dos atos pregressos da Calvário, como as prisões de Leandro Nunes e Livânia Farias. O primeiro foi preso preventivamente e mantido por um mês no PB1, mesmo sem ser ainda réu e ter direito à prisão especial em razão de possuir diploma universitário.

Nessas condições, Nunes aceitou fazer delação premiada e acabou por delatar Livânia Farias.

Presa, Livânia não aguentou muito até aceitar também fazer delação, que foi aguardada por alguns meses com nítida ansiedade pela mídia bolsonarista da Paraíba, financiada, registre-se, com recursos da Prefeitura de João Pessoa, até explodir nas pressões que antecederam as prisões da semana passada.

O resultado mais espetaculoso da delação da ex-secretária foi a prisão de Ivan Burity.

MÉTODO LAVA JATO EM XEQUE: PRISÃO PREVENTIVA

A retomada da Operação Calvário acontece em um claro contexto de refluxo da Operação Lava Jato, sobretudo depois que seus métodos comprovadamente ilegais e arbitrários foram expostos pela série de reportagens do site Intercept Brasil, algumas em parceria com órgãos tradicionais da grande mídia, como Folha de São Paulo e Veja, e jornalistas como Reinaldo Azevedo.

Mesmo antes dessas denúncias, o STF já debatia a ilegalidade esses métodos.

No caso das prisões preventivas, decisão do ministro Gilmar Mendes desfez ato do juiz Marcelo Bretas da Lava Jato do Rio, que, em março de 2018, determinara a prisão temporária de empresário Sandro Alex Lahmann, convertida em seguida prisão preventiva.

Gilmar Mendes concedeu habeas corpus ao empresário argumentando, a partir da jurisprudência do STF, que atos antigos não justificam o recurso à prisão preventiva porque podem desrespeitar a presunção de inocência. Mendes acabou optando por medidas cautelares alternativas.

Pelo que li do arrazoado que justificou a prisão de Ivan Burity, os fatos alegados são todos antigos – mais estranho ainda é o limite temporal estabelecido na investigação, que é 2013 (por que 2013, e não 2009, por exemplo?)

“PRISÃO PREVENTIVA QUANDO UTILIZADA COMO INCENTIVO À COLABORAÇÃO, É TORTURA.”

Um outro aspecto relevante da questão é que o desdobramento das prisões preventivas quase sempre desaguam nas chamadas colaborações premiadas.

Repercutiu muito ao longo dessa semana declarações dadas pelo ministro de STJ, Nefi Cordeiro, durante palestra para o Curso Nacional Corrupção e os Desafios do Juiz Criminal, para juízes de todo o Brasil (clique aqui para acessar matéria do Consultor Jurídico).

Nas palavras de Nefi Cordeiro: “A prisão preventiva fora das hipóteses legais, especialmente quando utilizada como incentivo à colaboração, é tortura. O Estado não pode fazer tortura para obter colaboração”. Cordeiro destaca ainda que toda delação deve ser “voluntária” e o Estado jamais pode coagir alguém a colaborar.

“É imprescindível a observância dos princípios constitucionais da administração pública, dos princípios jurídicos, das regras dos negócios jurídicos, das regras dos contratos administrativos e da inafastabilidade de jurisdição,” disse o juiz.

Mais ainda: Nefi Cordeiro defende que os acordos firmados não podem isentar as instância do sistema do judiciário do dever de investigar e apresentar provas: “Na colaboração premiada, não pode ter incidência ou interpretação divorciada das garantias e limitações às demais ações penais”.

Se a Operação Calvário quer contribuir para o aperfeiçoamento das instituições, incluindo aí o próprio Judiciário e o Ministério Público, tem de levar em conta os esforços que se desenvolvem hoje na sociedade, na imprensa e no STF para devolver o país à ordem democrática, ao respeito aos direitos individuais e ao valor supremo da equidade jurídica.

Sem isso, não há justiça possível.

Em seguida eu volto para tratar de Estela Bezerra, a mais nova vítima dos métodos da Calvário.


Setembro tem a maior criação de emprego formal para o mês desde 2013


Segundo o Caged, 157.213 postos formais de trabalho foram criados no último mês

Produção industrial recua 0,1% de fevereiro para março, diz IBGE
Serviços e indústria de transformação puxaram abertura de vagas. Foto: Reprodução

Beneficiada pelos serviços e pela indústria, a criação de empregos com carteira assinada atingiu, em setembro, o maior nível para o mês em seis anos. Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, 157.213 postos formais de trabalho foram criados no último mês. O indicador mede a diferença entre contratações e demissões.

A última vez em que a criação de empregos tinha superado esse nível foi em setembro de 2013, quando as admissões superaram as dispensas em 211.068.

A criação de empregos totaliza 761.776 de janeiro a setembro, 6% a mais que no mesmo período do ano passado.

Setor de serviços recua 0,2% de julho para agosto
Custo da construção civil aumenta 0,37% em setembro
Setores

Na divisão por ramos de atividade, sete dos oito setores pesquisados criaram empregos formais em setembro. O campeão foi o setor de serviços, com a abertura de 64.533 postos, seguido pela indústria de transformação (42.179 postos). Em terceiro lugar, vem o comércio (26.918 postos).

O nível de emprego aumentou na construção civil (18.331 postos); na agropecuária (4.463 postos), no extrativismo mineral (745 postos) e na administração pública (492 postos). O único setor que demitiu mais do que contratou foram os serviços industriais de utilidade pública, categoria que engloba energia e saneamento, com o fechamento de 448 postos.

Tradicionalmente, a geração de emprego é alta em setembro, por causa da produção da indústria para o natal e do aquecimento do comércio e dos serviços para as festas de fim de ano. Na agropecuária, o início da safra de cana-de-açúcar é a principal responsável pela geração de empregos, principalmente no Nordeste.

Regiões

Todas as regiões brasileiras criaram empregos com carteira assinada em setembro. O Nordeste liderou a abertura de vagas, com 57.035 postos, seguido pelo Sudeste (56.833 vagas) e pelo Sul (23.870 vagas). O Centro-Oeste criou 10.073 postos, e o Norte abriu 9.352 vagas formais no mês passado.

Na divisão por estados, todas as 27 unidades da Federação geraram empregos no mês passado. As maiores variações positivas no saldo de emprego ocorreram em São Paulo (abertura de 36.156 postos), em Pernambuco (17.630), em Alagoas (16.529) e no Rio de Janeiro (13.957).

Rais

O Ministério da Economia também divulgou os números da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2018. O ano passado fechou com 46, 63 milhões de vínculos, 349,52 mil a mais do que em 2017, o que corresponde a um aumento de 0,8% nos postos com carteira assinada no país.

No ano passado, foram abertos na iniciativa privada 371.392 postos de trabalho com carteira assinadaa, 1,02% a mais do que em 2017. Houve crescimento em quatro das cinco regiões do país, com liderança para o Nordeste, onde a oferta de vagas subiu 1,21%. A segunda maior alta foi registrada no Sul (1,1%), seguido pelo Norte (0,96%) e pelo Sudeste (0,67%). Apenas no Centro-Oeste, houve fechamento de postos de trabalho, com queda de 0,52%.


Das 27 unidades da federação, 19 fecharam com desempenho positivo no emprego formal – principalmente Maranhão, Mato Grosso, Amapá, Santa Catarina e Amazonas.

O aumento no emprego foi maior na faixa de trabalhadores de 40 a 49 anos, com a abertura de 258 mil vagas. Em segundo lugar, vieram os empregados de mais de 50 anos (153 mil vagas), seguido pela faixa de 30 a 39 anos (83 mil vagas). A diferença entre homens e mulheres diminuiu levemente, com o emprego feminino subindo de 40% em 2017 para 40,1% dos postos de trabalho em 2018.

Em relação à escolaridade, o maior crescimento foi registrado entre os trabalhadores com ensino superior completo (458 mil vagas), seguido pelos que têm o ensino médio (373 mil) e o superior incompleto (69 mil). Nos demais níveis de educação, houve fechamento de vagas. (ABr)

 

Diariodopoder.com.br

 

 


Marco Aurélio declara guerra, ao vivo, a Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Luiz Fux

 
Ministro acusou os três de usarem a presidência do Supremo Tribunal Federal de forma "totalitária e autoritária"
André Brito 

O ministro Marco Aurélio Mello aproveitou o início do julgamento que pode libertar todos os condenados em 2ª instância presos para declarar guerra contra o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, o vice, ministro Luiz Fux, e o ministro Gilmar Mendes.

Durante o resumo do caso a ser julgado, Marco Aurélio acusou os três de exercerem a presidência do STF de forma “totalitária e autoritária”. Segundo o ministro, Toffoli aguardou o fim do segundo semestre do Judiciário para revogar liminar concedida no âmbito da Ação Declaratória de Constitucionalidade 54, uma das analisadas no julgamento iniciado nesta tarde, e do mandado de segurança que determinava o voto aberto para as eleições da Mesa Diretora do Senado, contrariando o regimento interno de outro Poder.

“O presidente é coordenador e não superior hierárquico dos pares. Coordena, simplesmente coordena os trabalhos do colegiado. Fora isso, é desconhecer a ordem jurídica, a constituição federal, as leis e o regimento interno”, disse Marco Aurélio encarando Toffoli.

O ministro ressaltou, entretanto, que a prática não é inédita. Em dezembro de 2009, lembrou Marco Aurélio, o então presidente, ministro Gilmar Mendes, sustou os efeitos de decisão liminar no caso do menino Sean Goldman, permitindo que o americano pai da criança o levasse para os EUA.

As críticas contra Fux se deveram à suspensão da liminar que autorizava as entrevistas de Lula na prisão. A liminar havia sido concedida pelo ministro Ricardo Lewandowski, mas o partido Novo pediu a suspensão dos efeitos. Em setembro de 2018, Fux decidiu que Lula não poderia conceder entrevistas, mas a proibição durou pouco.

 

Diariodopoder.com.br

 

 


Bolsonaro afasta aliados, fortalece o ‘centrão’ e faz a festa dos opositores


Além de rachar o partido, o presidente revelou fragilidade ao tenta a troca do líder do PSL

Bolsonaro critica iniciativa do STF de validar vazamento de mensagens da Lava Jato
Presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto. Isac Nóbrega/PR

Em poucos dois dias, Jair Bolsonaro conseguiu a proeza de esfarelar o que havia de apoio sólido entre deputados que o sustentam. Rachou o próprio partido, que só totaliza pouco mais de 10% dos 513 deputados, e ainda revelou sua fragilidade na Câmara ao ser derrotado na tentativa de enxotar da Liderança do PSL um ex-aliado que agora o chama de “vagabundo”. A oposição não esperava ter seu trabalho tão facilitado. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

As trapalhadas bolsonarianas fortaleceram um competidor perspicaz, não declarado, que está sempre à espreita: Rodrigo Maia.

Cada vez com menos apoiadores, governo dependerá cada vez mais da vontade do presidente da Câmara para aprovar projetos relevantes.

Se Bolsonaro trata assim aos seus, imaginem aos outros, advertem líderes de partidos que eventualmente apoiam o governo na Câmara.

O Psol, que atua como linha auxiliar do PT, comemorou a crise entre Bolsonaro e PSL: “nessa briga de gangues, estamos do lado da briga”.

 

Diariodopoder.com.br

 

 


Tentativa de transformar Eduardo Bolsonaro em líder do PSL fracassa

 
O deputado Delegado Waldir teve apoio de um número maior de deputados do que Eduardo e, assim, segue como líder do PSL na Câmara
CB Correio Braziliense

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Delegado Waldir (GO) continua líder do PSL na Câmara. No início da tarde desta quinta-feira, a Secretaria Geral da Mesa validou uma lista de deputados da legenda, com 29 assinaturas, que pedia a manutenção de seu nome na função.

A ala do partido que defendia o nome de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), mais ligada ao presidente Jair Bolsonaro, entregou duas listas, uma com 24 e outra com 26 assinaturas.

Como os que querem Waldir na liderança, ligados ao presidente do partido, Luciano Bivar (PE), somavam um número maior, o parlamentar de Goiás foi mantido. O PSL tem uma bancada de 53 deputados, e na noite de quarta-feira a ala bolsonarista chegou a anunciar Eduardo como líder.

Bolsonaro foi contra nomear Eduardo para liderança do PSL, diz deputado
A tentativa de mudança de líder é mais um capítulo da tensão que ocorre hoje entre a cúpula do PSL e o presidente Jair Bolsonaro, que, semanas atrás, sugeriu a um apoiador que esquecesse o PSL e afirmou que Bivar estava "queimado".

Desde então, é incerta a permanência do presidente na legenda, que tem a imagem arranhada por denúncias de ter usada candidatas laranjas para redistribuir a verba nas eleições passadas.

Também na noite de quarta-feira, vazou um áudio em que o presidente Bolsonaro é ouvido defendendo a troca de liderança. Nesta quinta, ele chamou a divulgação de sua fala de desonestidade.

Correiobrazilense.com.br

 


Suspeito de assaltar Viracopos faz reféns e é morto com tiro de sniper


Mais cedo, criminosos assaltaram empresa de valores no aeroporto e causou caos no local; 3 suspeitos foram mortos
AE Agência Estado

(foto: Alessandro Shinoda/Folhapress)
Criminosos armados invadiram o terminal de cargas do Aeroporto Internacional de Viracopos, trocaram tiros com os seguranças e assaltaram a transportadora de valores Brinks, na manhã desta quinta-feira (17/10), em Campinas, no interior de São Paulo. Dois suspeitos foram mortos durante a fuga. Um major da Polícia Militar foi atingido, mas sem gravidade.

Dois seguranças foram baleados e levados para hospitais de Campinas. Durante a ação, a quadrilha ateou fogo em dois caminhões na Rodovia Santos Dumont (SP-79), principal acesso ao aeroporto. As duas pistas foram bloqueadas. O tráfego era intenso e houve pânico entre os usuários da rodovia.

 Uma mulher e um bebê de 10 meses foram mantidos reféns pelos bandidos. A criança foi liberada no início da tarde. Em seguida, o bandido foi morto com tiro de sniper. A mãe saiu com um ferimento na nádega, mas passa bem.

De acordo com a administração do aeroporto, os bandidos usavam um veículo com as cores e características da Aeronáutica. Mesmo assim, a caminhonete foi parada, mas acelerou e rompeu o portão de acesso. Mesmo com os pneus estourados pela grade de segurança, os criminosos seguiram para o terminal e atiraram contra os seguranças. Depois do ataque, eles conseguiram fugir.

 Mãe e bebê reféns
Um dos criminosos que assaltaram o carro-forte da Brinks no aeroporto de Viracopos invadiu uma casa e manteve uma mulher como refém, no bairro Campo Verde, na região do Ouro Verde, conjunto de bairros no entorno do aeroporto. As negociações foram assumidas pelo Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da Polícia Militar. Um bebê de 10 meses também foi mantido refém pelos bandidos, mas depois liberado no início da tarde. O bandido foi morto com tiro de sniper. A mãe saiu com um ferimento na nádega, mas passa bem.

 O suspeito estava armado com uma pistola e, às 13h30, negociava sua rendição. Imagens de câmeras mostraram que o carro-forte, carregado com o dinheiro, já adentrava a pista para se dirigir ao avião que receberia o montante. O dinheiro, em reais, seguiria para um banco na Inglaterra. O valor roubado ainda não foi divulgado.

 Os criminosos usaram uma metralhadora ponto 50, usada como arma antiaérea, para obrigar o carro-forte a parar. A arma, além de um fuzil, foi encontrada na caminhoneta usada pelos ladrões, que teria sido barrado durante a fuga em tiroteio com a polícia.

 Os agentes apreenderam também um caminhão de lixo com pelo menos um malote que teria sido usado pelos bandidos durante a fuga.

 ‘Um sufoco‘
O engenheiro de produção Matheus Meucci, de Sorocaba, contou que seguia para Limeira pela rodovia, quando o assalto aconteceu. "Cheguei quando a carreta tinha acabado de ser incendiada. Eu quase bati nos carros que estavam à frente", afirmou.

 Segundo Meucci, na pista sentido Indaiatuba, também já havia um caminhão queimando. "Consegui atravessar o canteiro e retornar. Foi um sufoco", disse. O assalto ocorreu por volta das 10 horas. Durante a ação criminosa, o aeroporto ficou fechado para pousos e decolagens, por um período de 20 minutos.

Nas redes sociais, há vídeo do momento do tiroteio e relato de passageiros que estavam no aeroporto. Mesmo não tendo ocorrido nenhuma ação no terminal de passageiros, foi necessário passar os passageiros que estavam embarcando por nova inspeção de raio X por questões de segurança.

Correiobrazilense.com.br

 


Mais de 5 mil beneficiários receberam Bolsa Família irregularmente


Publicado por: Suedna Lima em 16/10/2019 às 07:52

Polemicaparaiba.com.br
Ogoverno federal promoveu um pente fino para detectar irregularidades no recebimento do Bolsa Família. Quem recebeu de forma indevida, vai ter que devolver o dinheiro. Os avisos de cobrança já começaram a ser enviados.

Mais de 5 mil beneficiários terão que devolver os recursos recebidos irregularmente. Com isso, mais de R$ 6 milhões serão devolvidos aos cofres públicos.

Cartas de cobrança já começaram a ser enviadas, e se o dinheiro não for devolvido a pessoa terá seu nome inserido no cadastro de devedores.

Hoje, mais de 13 milhões de famílias são atendidas com o Bolsa Família.

Em seu Twitter, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que entre os que receberam o “benefício de forma fraudulenta” estão vereadores, empresários e até um gato de estimação chamado Billy.

Na terça-feira (15), o presidente assinou uma Medida Provisória que cria o 13° do Bolsa Família. O benefício será pago a partir desse ano, com recursos oriundos do combate às fraudes e repasses indevidos do programa social.

 

Jair M. Bolsonaro

@jairbolsonaro
Uma das várias Fake News espalhadas contra mim na campanha era de que eu acabaria com o Bolsa Família. Nesta tarde, como presidente, assinei MP que cria o 13° do Bolsa Família, que será pago partir deste ano, com recursos oriundos do combate às fraudes no programa. Grande dia! 👍

42,8 mil
21:45 - 15 de out de 2019
Informações e privacidade no Twitter Ads
10,4 mil pessoas estão falando sobre isso


A operação Calvário e os irresponsáveis ataques de certas pessoas a Ricardo Coutinho.

 Até o proximo ano, Ricardo Coutinho, vai continuar tirando o sono das nossas manjadas e indesejáveis oligarquias políticas, pois tais grupos precisam urgentemente retomarem o poder, já que não conseguem viver longe do erário e a provavel eleição de Ricardo para prefeito da nossa capital, representa um grande empecilho para esse sonhado retorno dessa turma sempre viciada em muita grana e que anda aparentemente quieta, mas sorrateiramente trabalha, mesmo agredindo e enlameando reputações, pois para eles o que importa é o poder a qualquer custo.

Eles os cabecas dessa campanha difamatoria estrategicamente se fazem de mortos, mas não confiem, pois o lobo perde o pêlo mas não perde o vício e eles estão bem vivos e atuando nos bastidores.

Esses políticos, contam hoje com uma minoria da nossa imprensa, que muitos qualificam como ‘imprensa de esgoto‘ mas eu já os denominei de ‘imprensa amestrada’ devidamente organizada e paga para a execução desse trabalho sujo, que é detonar diariamente Ricardo Coutinho, que como como se sabe não responde nenhum processo na Justiça relativo a dinheiro público e nesse processo da conhecida Operação Calvário não foi ouvido sequer como testemunha.

Ricardo é hoje um nome nacional e transita por todos os lugares, com a coluna ereta e com o nariz erguido, conscio do dever cumprido, pois vindo de uma família humilde, colocou de cócoras a nossa chamada elite política, sendo recordista de votos em todas as campanhas em que foi candidato e em outubro último, mesmo abrindo mão de uma vaga tida como certa ao Senado, elegeu no primeiro turno o seu sucessor no Governo do Estado, um senador, vários deputados federais e estaduais, não se devendo perder de vista, que o outro candidato ao Senado Luis Couto, obteve consagradora votação, sendo o terceiro mais votado.

Se alguém maior de idade cometeu algo fora do que preceitua a lei, que responda pelos seus atos, não podendo eventuais culpas serem divididas entre quem nao as cometeu.
 

Pedro Marinho

 

 


Sidebar Menu