Pela volta do Posto de vacinação do Cabo Branco - Petrônio Souto



 O bairro do Cabo Branco é como a Urca no Rio de Janeiro: uma nesga de terreno plano entre o mar e a barreira, com apenas uma entrada e uma saída. Ao contrário do que muitos pensam, não é mais um bairro de grã-finos, isso é coisa de um passado muito distante. Com uma infraestrutura precaríssima, a verticalização acelerada e a ‘miniaturização‘ dos imóveis atraíram para cá uma numerosa e envelhecida classe média.

Agora, com a vacinação dos idosos contra a gripe, segundo o planejamento da Prefeitura, o Posto de Vacinação mais próximo do bairro é a Escola Municipal Seráphico da Nóbrega, em Tambaú, local, convenhamos, bastante incômodo para a grande clientela doente e idosa do Cabo Branco.

Dito isso, ouso sugerir que a Prefeitura instale um Posto de Vacinação na Fundação Casa de José Américo, único equipamento público no bairro. Aliás, em anos anteriores, a população sempre contou com esse Posto de Vacinação, desativado em 2020, sem nenhuma justificativa lógica.

O terraço da Fundação Casa de José Américo é um lugar arejado e, se houver fila, ela se formará num espaço igualmente arejado, na sombra, pertinho do mar. Além do que, pela geografia do lugar, o deslocamento do idoso, de sua residência ao Posto de Vacinação, será de curta distância, em terreno plano, dando para ir a pé, sem acompanhante.

Não falam em proteger e facilitar a vida do idoso? A volta do Posto de Vacinação contra a gripe na Fundação Casa de José Américo seria uma providência simples e do maior alcance social nesse sentido.





Comentários


Comentar


Sidebar Menu