MEMÓRIA PESSOENSE – Pindobal - Sérgio Botêlho




Uma das ameaças mais fortes e eficazes às crianças pessoenses nas décadas de 50 e 60 era Pindobal. “É bom estudar senão você vai para Pindobal”, diziam os pais, estabelecendo um verdadeiro estado de pavor a quem se revelasse preguiçoso para o estudo.

A chantagem acabou criando, sobre a Escola Correcional de Pindobal e o adjacente Abrigo de Menores Jesus de Nazaré, imagem de verdadeiro campo de concentração onde só deviam existir anjos do mal.

As duas instituições funcionavam no município de Mamanguape, na Fazenda Pindobal, que tem esse nome, certamente, por conta de abundante existência, no local, de palmeiras chamadas pindobas, nome dado pelos índios.

Era um horror! O nome Pindobal estabeleceu-se entre a criançada como algo na categoria de um verdadeiro inferno, onde crianças eram colocadas para sofrer, sem parar, apenas por não se disporem ao estudo.

Quem, durante certo tempo, dirigiu Pindobal foi o tenente Lucena, figura extraordinária e sobre a qual já dediquei um desses artigos sobre as memórias pessoenses publicadas aqui nesse espaço do Facebook.

Pois bem. Quando publiquei a memória do Tenente Lucena, tive o prazer da participação, por meio de um post, da amiga, também deste Face, Rosa Virgínia Lins, que, justamente, havia sido aluna do Abrigo de Menores Jesus de Nazaré, e pegou o período da direção do tenente.

Depôs, Rosa, naquele momento: “Concordo em tudo descrito ....episódio a parte...como interna do abrigo de menores Jesus de Nazaré onde tivemos oportunidade de cantar em um coral criado por ele {Tenente Lucena}, contávamos os dias para os ensaios pois nos trazia grande alegria...nos ensinou muito e até criou um meio empolgante de falar cantando nome da instituição nos dando prazer era assim ‘Abrigo de Menores Jesus de Nazaré xiiiiiiiiiiii doooooo’ era só alegria aqueles momentos...”.

Bom. Vocês estão vendo que o cenário de Pindobal não devia ser exatamente o que os pais daquela época pintavam a respeito, se constituindo em abrigo a histórias de pessoas que acabaram tendo, ali, fortes experiências de vida. E mudaram seus futuros.
E, vejam só, encontrei na maravilhosa Internet um manifesto bem recente da autoria de pessoas vinculadas a uma ONG, de nome Pindobal, em Mamanguape, se colocando contrárias à criação, pelo governador Ricardo Coutinho, de um sistema prisional na Fazenda Pindobal.

“Aquele lugar tem história em nossa cidade, onde diversas pessoas de lá saíram e conseguiram uma vida digna”, apelam os signatários da carta, em determinado trecho, revelando o carinho com que Pindobal é tratado pelo povo mamanguapense.

Decorre da argumentação a certeza da existência de muita gente de bem, hoje, a exemplo da amiga Rosa Virgínia Lins, com fortes e positivos depoimentos a serem dados, em função da vida encaminhada ou reencaminhada nos bancos de PIndobal.
Creio, mesmo, que aquela experiência, que nos foi tão mal transmitida, um dia, possa receber cada vez mais apoio das autoridades, e, quem sabe, servir como belo argumento para um filme de elevado perfil artístico-educacional.

Pindobal, em Mamanguape, é memória pessoense, também.




Comentários


Comentar


Sidebar Menu