Deputados criticam qualidade da relação política com o Palácio do Planalto

 Tropa de choque de Onyx ‘só serve cafezinho‘, nada resolve

Na linha de frente da articulação, Lupion, Manato, Galli, Quintão e Bauer: eles servem café com a maior competência.


Veteranos e novatos têm em comum, na Câmara, a insatisfação com a turma que cuida do relacionamento do Planalto com os parlamentares. O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, nunca foi exatamente um “mister simpatia”, mas ao menos se esforça na articulação política. As queixas se concentram nos ex-deputados derrotados em 2018 que Onyx levou para ajudá-lo na tarefa. Eles viraram alvo de deboche.

Os articuladores de Onyx “só servem cafezinho e mais nada”, diz um líder partidário. Sem poderes até para mudar uma cadeira de lugar.

Os articuladores do governo Dilma padeciam do mesmo problema de Onyx e dos seus auxiliares: falta de autonomia para fechar acordos.

Fazem parte do time de Onyx os sem-mandato Abelardo Lupion (DEM-PR), Manato (ES) e Victorio Galli Filho (MT), do PSL.

O ex-deputado Leonardo Quintão (MDB-MG) o ex-senador Paulo Bauer (PSDB-SC) também servem café com a maior competência.


Governo do Estado vai construir vias alternativas de ligações em bairros da zona sul

Três importantes obras de mobilidade urbana em João Pessoa estão em processo de licitações pelo Governo do Estado, visando criar vias alternativas de ligações entre bairros da zona sul, objetivando melhorar o deslocamento das pessoas que vão aos seus locais de trabalho ou área de lazer, reduzindo o tempo de viagem e oferecendo mais segurança.

 

As vias ligarão determinadas áreas entre Mangabeira/Valentina de Figueiredo/Perimetral Sul; Geisel/Colinas do Sul e Jardim Cidade Universitária/Portal do Sol, no Altiplano Cabo Branco. Estão previstos investimentos de mais de R$ 10 milhões, recursos próprios do Estado.

Ao destacar a importância das três obras para a região sul da Capital, bem como para toda a cidade, o superintendente do Departamento de Estradas de Rodagem da Paraíba, Carlos Pereira de Carvalho e Silva, disse que o governador João Azevêdo, sensível às diversas reivindicações da população, decidiu pela realização das ligações, que vão facilitar a vida dos moradores dos referidos bairros e de todos os usuários das áreas beneficiadas.

Inicialmente, o DER vai receber as propostas das empresas e no dia 5 de abril vão ser abertas publicamente, quando será anunciado o nome da ganhadora da concorrência. O segundo passo será a assinatura do contrato, em seguida a ordem de serviço pelo governador do Estado, devendo as obras serem iniciadas no mês de maio.

 


Secom-PB


João Azevedo visita Cagepa e fala de medidas para normalização do abastecimento d‘água


Foto: Reprodução
O governador João Azevêdo visita, nesta sexta-feira (22), a sede da Cagepa em Campina Grande. Na ocasião, o chefe do Executivo estadual conversará com a imprensa sobre as medidas adotadas para normalização do abastecimento d‘água.

Na sexta-feira (15) um problema ocorrido na estação de tratamento de “Gravatá”, que leva água para Campina Grande e outras cidades causou a suspensão do abastecimento de água.

Em nota, a empresa explicou que vários equipamentos, entre eles transformadores, queimaram e precisam ser substituídos, mas o reparo total que estava previsto para esta sexta-feira (22), foi adiado para o domingo (24).

De forma emergencial um transformador foi relocado da estação de bombeamento de Boqueirão para que a estação de Tratamento de Gravatá possa funcionar de forma provisória.

Com essa medida, a cidade passou a viver um regime similar ao racionamento antes da transposição do Rio São Francisco.

Secom PB  


Consórcio Nordeste arremata AE-10 do Porto de Cabedelo por R$ 18 milhões


A oferta superou a única proposta concorrente, apresentada pelo Terminal de Armazenagem da Paraíba Limitada (Teapa), de R$ 2,499 milhões.


Por Istoé
 

O valor mínimo a ser oferecido era de R$ 1,00 e o critério de julgamento utilizado foi o de maior valor de outorga. (Foto: Reprodução)
A área AE-10, no Porto de Cabedelo, na Paraíba, foi arrematada na manhã desta sexta-feira, 22, pelo Consórcio Nordeste, por uma outorga de R$ 18,005 milhões em leilão na B3. A oferta superou a única proposta concorrente, apresentada pelo Terminal de Armazenagem da Paraíba Limitada (Teapa), de R$ 2,499 milhões.

O valor mínimo a ser oferecido era de R$ 1,00 e o critério de julgamento utilizado foi o de maior valor de outorga. Segundo fontes, o consórcio é formado por Raízen, Ipiranga e BR Distribuidora.

A concessão de 25 anos da área brownfield, que atualmente está sob contrato de transição com a Transpetro, tem investimento previsto de R$ 36,4 milhões e uma capacidade futura dinâmica estimada em 337 mil m³.


Vereador da oposição diz que Decreto de Calamidade Pública em CG teve" fins eleitoreiros"


Vereador da oposição diz que Decreto de Calamidade Pública em CG teve
Integrante da bancada de oposição na Câmara Municipal de Campina Grande, o vereador Anderson Maia (PSB), considerou como “politiqueiro” o decreto de Calamidade Pública decretado pelo prefeito Romero Rodrigues (PSDB0, em função do desabastecimento de água na cidade devido a um problema na auditora que puxa água do açude Epitácio Pessoa em Boqueirão. O decreto foi requerido pelos vereadores Alexandre do Sindicato (PHS) e Antônio Pimentel Filho (PSD) e aprovado com com dez votos na Casa.

 

Em entrevista a Rádio Caturité FM, o socialista disse que alguns vereadores governistas têm utilizado a situação para “criar factoides políticos” com o objetivo de “privatizar” a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa). “Os autores deste projeto são os mesmos que deram um cheque em branco para o prefeito”, acrescentou.

Anderson Maia que votou contra o requerimento, e considerou o decreto como uma situação contraditória. “No ano passado, ainda com Campina Grande em racionamento, eu escutei palavras demagogas e levianas ao Governo do Estado e à Cagepa”, afirmou.

Ele se referiu ao fato de que em meados de 2017 ocorrera um embate entre situação e oposição sobre o racionamento de água que a cidade enfrentava desde o ano de 2014. Aliados do prefeito queriam a manutenção do racionamento.

– Na época, queriam usar a pauta política de forma partidária. E estão fazendo novamente isso. Porque o interesse não é de defender o povo, não. É usar o ato para finalidade política. É isto o que eu tenho observado aqui: contradição e discurso demagogo – afirmou o vereador.

Um dos autores da proposta, Alexandre do Sindicato (PHS) rebateu as acusações. Com o decreto, defendeu, é possível acionar uma força-tarefa entre governo do Estado e município de Campina Grande para o “socorro das populações dos bairros mais distantes”.

O vereador disse ainda que a medida é necessária porque a situação de desabastecimento, na opinião dele, gerou na cidade “um verdadeiro calvário”. “A cidade vive um caos no abastecimento público. Tanto na saúde, quanto nas escolas”, afirmou.


PB Agora


Wilson Filho confirma que seria uma honra ser vice de RC em 2020 na disputa pela PMJP, mas não descarta postulação própria


Wilson Filho confirma que seria uma honra ser vice de RC em 2020 na disputa pela PMJP, mas não descarta postulação própria
Em entrevista ao portal o deputado estadual Wilson Filho (PTB) que também é líder do blocão na ALPB, que reúne 16 partidos comentou sobre a possibilidade de deixar a Assembleia Legislativa no próximo ano para disputar a Prefeitura Municipal de João Pessoa. Ele confirmou sua pré-disposição de se apresentar e não negou a possibilidade aceitar ser vice-prefeito numa chapa ao lado do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB).

“Eu sempre deixei muito claro a minha pré-disposição de apresentar a João Pessoa um projeto moderno de gestão para a cidade que realmente vise todas as potencialidades desse município. Em 2016 eu rodei essa cidade inteira com plenárias pelos bairros, mostrando algumas das nossas ideias e recebendo sugestões”, disse o parlamentar destacando que fez um amplo plano de governo á época.

 

Ele lembrou que só após o PTB decidir fazer aliança com o PSB foi feito uma união de planos de governos com a então candidata Cida Ramos (PSB). “Agora para 2020 estamos com o nome à disposição, mas participamos também de um grupo político do qual está inserido o PTB no qual sou filiado. E nesse caminhar até o período eleitoral aqueles partidos que fazem oposição ao prefeito Luciano Cartaxo haverão de se encontrar para falar de política e nós estaremos mais uma vez mostrando a esse grupo político a nossa pré-disposição a disputa”, afirmou Wilson destacando porém que tudo vai ser decidido em grupo.

Ao ser questionado se houver por parte do PSB um convite para compor com o ex-governador Ricardo Coutinho uma chapa para disputar a PMJP, Wilson disse: “Só ter o nome levantado para a disputa ao lado do ex-governador Ricardo Coutinho é uma honra, mas não dá para fechar nada com tamanha distância para o pleito eleitoral. Mas temos uma certeza montaremos ao lado de RC um projeto para João Pessoa sim, numa chapa conjunta ou não”, disse.


Indicada por Vélez como número 2 do MEC, Iolene Lima é demitida

Indicada por Vélez como número 2 do MEC, Iolene Lima é demitida
Ex-secretária executiva foi o 3º nome em 3 meses e ficou no cargo por apenas oito dias
O posto de secretário-executivo do Ministério da Educação (MEC) está, mais uma vez, vago. Iolene Lima, pastora evangélica indicada ao cargo pelo ministro Ricardo Vélez Rodríguez (Educação), informou nesta sexta-feira (21) que deixará o cargo.


A saída foi informada por meio da sua conta pessoal no Twitter. Sem prestar detalhes sobre a motivação, Iolene contou ter esperado uma semana para começar efetivamente no cargo, e então foi informada que não está mais no MEC. Confira a mensagem deixada por ela:


Homem matou e colaborou com funeral da vítima


A Polícia Civil prendeu nessa quinta-feira (21), em Fagundes, um homem acusado de executar um adolescente, se solidarizar com a família da vítima, auxiliá-la no reconhecimento do corpo no Núcleo de Medicina Legal e colaborar com velório e funeral do corpo.

Além da prisão temporária de Manoel Calvalcante de Oliveira, de 57 anos, conhecido como ‘Nequinho’, a polícia cumpriu mandados de busca e apreensão.

“Escondeu e disfarçou seus próprios sentimentos quanto o seu envolvimento no crime”, destacou o delegado Iasley Almeida.

O crime ocorreu no dia 26 de janeiro de 2019 quando o suspeito invadiu a casa de Carlos Gomes Bruno da Silva, de 17 anos de idade, e efetuou disparos contra a vítima.

MaisPB


Federais levam pauta de reivindicações a Ministério da Economia

 

Representantes do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Federais (Fonasefe) entregaram nessa quarta-feira, 20, a pauta de reinvindicações unificadas da categoria ao diretor do Departamento de Relações do Trabalho no Serviço Público Federal, Cléber Izzo. A pauta incluí 22 pontos que unificam os federais.

Nessa primeira reunião, as entidades reforçaram a importância de se garantir um processo de negociações permanente. Expectativa é de que acordos e temas que já estão avançados em debates feitos anteriormente continuem acontecendo com a perspectiva de avanços no setor público.

Representando a CUT e também diretor da Condsef/Fenadsef, Pedro Armengol, defendeu a construção desse debate que passa pela importância de falar sobre o modelo de serviço público. "Acreditamos que serviços públicos são feitos por pessoas para pessoas e temos a expectativa de contribuir na construção de um Estado que considere a importância desses serviços para a população", pontuou.

As pautas entregues reúnem as reivindicações mais urgentes levantadas pelo conjunto dos servidores federais.


Respostas serão dadas

Izzo destacou que o governo está recepcionando as demandas e que é intenção dar resposta a todas as questões. Para o diretor, ainda que não tenham respostas positivas para todas as questões apresentadas, nenhum item ficará sem retorno. "Uma resposta é melhor que resposta nenhuma", frisou. Izzo pontou ainda que considera importante a manutenção de uma relação de respeito e se dispõe a manter aberto o canal de diálogo com os representantes dos servidores.

O diretor informou que a pauta passará a responsáveis técnicos que devem analisar as questões, levantar dados para aí então apresentar algum retorno às entidades.
Fonte: Condsef,


Reforma de militares deve ser desidratada na Câmara

 

Não foi nada positivo o impacto causado pelo projeto de lei de reforma previdenciária de militares, pelo menos entre deputados e servidores civis. O texto voltado aos integrantes das Forças Armadas prevê economia líquida de apenas R$ 10,45 bilhões em 10 anos e a reestruturação de carreiras, o que vai gerar gasto público. Irritados com esses detalhes, parlamentares ligados ao presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), querem que ele devolva a proposta ao presidente Jair Bolsonaro, pois não impõe sacrifícios aos militares.

Mesmo que isso não ocorra, a expectativa é de que a proposta seja desidratada, e alguns pontos sejam retirados do texto. Isso porque a intenção era passar uma imagem à sociedade de que todos vão pagar a conta. Maia não quis dar opiniões sobre o PL, e prefere analisá-lo antes de tomar uma decisão.
"Estamos ouvindo representantes dos trabalhadores privados e dos servidores civis, que hoje disseram: ‘não pode sangrar só na gente‘, e eu concordo", declarou um deputado da mesma legenda que a de Maia. Ele acredita na possibilidade de o presidente da Casa devolver o projeto dos militares.

"O presidente da Câmara deveria devolver o projeto. A reforma tem que exigir sacrifícios a todos, não pode beneficiar um setor", acrescentou outro parlamentar.


Argumentos do governo

O secretário de Previdência, Rogério Marinho, argumentou que o tratamento diferenciado, na verdade, respeitou as "especificidades da carreira militar". Ele lembrou que há risco de morte para militares, e que eles também não têm FGTS e sindicato.


‘Fomos traídos‘

Representantes do funcionalismo público federal consideraram "vergonhoso" o projeto apresentado ontem pelo governo, e disseram que apenas a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 06 de Reforma da Previdência do setor privado e servidores civis faz "os trabalhadores sangrarem". E acreditam que essas diferenças vão ajudá-los na articulação política no Congresso para amenizar a PEC.

"Vamos sensibilizar líderes partidários sobre essas diferenciações entre os dois projetos", afirmou o presidente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), Deolindo Carniel.


Risco de morte

Ele ressaltou ainda que os argumentos declarados pelo governo para "as diferenciações" se encaixam também para policiais — civis e federais.

"Nenhum servidor civil tem FGTS, e nós, policiais, não temos adicionais de insalubridade nem noturno, e não temos hora extra. Grande parte dos servidores da Segurança Pública votou em Bolsonaro e está se sentindo traída com esse tratamento".


‘Sacrifício tem que ser para todos‘

Presidente do Fórum das Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), Rudinei Marques relatou surpresa com a proposta voltada às Forças Armadas.

"Ficamos surpresos porque o governo até então vinha dizendo que todos teriam que fazer sacrifícios e que os militares não seriam poupados na reforma. Eles não só estão deixando de fazer sacrifícios como estão tendo uma reestruturação de sua carreira, na verdade, estão tendo vantagens com a reforma", analisou Marques.


Mulheres e pobres

Para o dirigente do Fonacate, "se comparar todas as propostas", as mulheres e os mais pobres compõem o grupo mais afetado com as mudanças nas regras previdenciárias. Ele defende que esses detalhes sejam revistos pelo Legislativo.
Fonte: O dia,


“Cada um deve responder por seus atos”, diz Bolsonaro sobre Temer

No Chile, presidente atribui prisão de Temer a acordos políticos

Bolsonaro sobre Temer: "A Justiça nasceu para todos e cada um responda pelos seus atos". Foto: Marcos Corrêa/PR


Ao desembarcar hoje (21) em Santiago, no Chile, para participar da Cúpula Presidencial de Integração Sul-americana, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que “cada um deve responder por seus atos” e que a “Justiça nasceu para todos” referindo-se à prisão do ex-presidente Michel Temer ocorrida em um desdobramento da Operação Lava Jato.

“A Justiça nasceu para todos e cada um responda pelos seus atos. O que levou a essa situação, pelo que parece, são os acordos políticos dizendo-se em nome da governabilidade. A governabilidade você não faz com esse tipo de acordo, no meu entender. Você faz indicando pessoas sérias e competentes para integrar o seu governo, é assim que eu fiz no meu governo, sem o acordo político, respeitando a Câmara e o Senado brasileiro”, afirmou Bolsonaro.

Temer é suspeito de ter recebido propina por meio de um contrato de empreiteiras com a Eletronuclear, estatal responsável pela construção da usina nuclear de Angra 3. Na opinião de Bolsonaro, acordos políticos em nome da governabilidade levaram à essa situação.

Bolsonaro permanece no Chile até sábado (23).

Agenda

Bolsonaro chegou à capital chilena por volta das 16h e tem uma extensa agenda até sábado. Amanhã (22) haverá um encontro com os presidentes de Argentina, Peru, Colômbia, Paraguai, Equador e Chile, que ocorrerá amanhã. No dia 23, ele se reúne em um encontro bilateral com o líder anfitrião, Sebastian Piñera.

O destaque do encontro será o lançamento do Prosul, nova comunidade de países latino-americanos que deverá substituir a União das Nações Sul-Americanas (Unasul). O Prosul será formado por 12 países: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, Costa Rica, Nicarágua, Panamá e República Dominicana.

“É uma satisfação visitar o Chile, tenho profundo respeito pelo povo chileno, pelo presidente Piñera. Trataremos de assuntos de interesse dos nossos países, esse é o grande objetivo da nossa viagem, além de, com toda certeza, selarmos aqui o fim da Unasul. A América Latina toda deve se unir em cima do termo democracia, liberdade e prosperidade”, afirmou Bolsonaro.

Diariodopoder.com.br

 


Até o petista Lula contestou ordem de prisão do ex-presidente Michel Temer

Ex-presidente, que também está preso, apontou ‘espetáculo‘
Tiago Vasconcelos

O ex-presidente Michel Temer ao ser escoltado, preso, por policiais. (Foto: Nelson Antoine/Folhapress)


Nunca uma prisão da Lava Jato foi tão contestada, apesar de “máfia” ter sido a expressão menos ácida dos procuradores ao explicá-la. Até o detento Lula protestou no Twitter: “MP e PF não podem ficar fazendo espetáculo”. O criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, “Kakay”, também acha, e diz que é “para pressionar o Judiciário e constranger os investigados”. Outros líderes de oposição a Michel Temer, como o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), não viram motivo para medida tão drástica. Tampouco o juiz Marcelo Brêtas o citou em sua decisão. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

De convicção política próxima da esquerda anti-Temer, Kakay criticou a “empáfia e arrogância da estrutura de marketing da Lava Jato”.

No Senado, não se falava em outra coisa: desengavetar um projeto de lei que pune o “abuso de poder” no ministério público e na Justiça.

A irritação dos parlamentares aumentou de tom quando lembraram que a prisão de Temer servia para celebrar o 5º aniversário da Lava Jato.

A lei prevê prisão preventiva para casos concretos e comprovados de obstrução da Justiça, coação de testemunha ou ameaça de fuga.


Sidebar Menu