MPPB desmente operação do Gaeco e RC decide processar quem criou fake news


Redação Paraíba Já Redação Paraíba Já 
O Ministério Público da Paraíba (MPPB) negou que esteja acontecendo qualquer operação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) na manhã desta terça-feira (19). Informações que circularam nesta manhã davam conta que um possível desdobramento da Operação Calvário estaria em andamento.

Na suposta informação, o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) e o secretário Waldson Souza estariam sendo alvo de mandados de busca e apreensão em suas residências.

Em contato com a reportagem do Paraíba Já, o MPPB esclareceu que “nenhuma operação (está) em andamento hoje”.

Procurada pela reportagem, a consultoria jurídica do ex-governador paraibano informou que estará movendo uma representação criminal contra quem propagou a ‘fake news’. “Já sabemos de onde partiu essa fake news e já estamos nos preparando para impetramos as ações cabíveis”, disse um dos advogados.

Neste momento, Ricardo está participando, como convidado, de uma solenidade do Governo do Estado no Espaço Cultural.


Ricardo lamenta execração pública e fake news: “são uns canalhas, processarei todos”

 Ricardo lamenta execração pública e fake news: “são uns canalhas, processarei todos”
Ex-governador comentou sobre os ataques sofridos através de informações falsas nesta terça
Avatar Edilane Ferreira 

Use as setas para cima ou para baixo para aumentar ou diminuir o volume.
O ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) comentou sobre os ataques sofridos através de fake news (informações falsas) na manha desta terça-feira (19). O socialista estava em um evento do Governo do Estado quando tomou conhecimento de notícias que o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) estaria realizando mandados de busca e apreensão em sua residência.

“Já assistimos esse filme no Brasil, que o Brasil ficou desse jeito. Já assistimos esse filme de execração pública, de condenação prévia”, afirmou Ricardo. “O Brasil precisa voltar a respirar democracia”, completou.

Sobre os comunicadores que produziram ou reproduziram a informação falsa, Ricardo foi enfático: irá entrar com medidas judiciais.

“São uns canalhas, processarei todos”, disse Ricardo Coutinho ao Paraíba Já.


Prefeitura de Conde abre concurso para a Educação e Guarda Municipal


Redação Paraíba Já 
Prefeitura de Conde lança concurso público para Educação e Guarda Municipal
A Prefeitura de Conde lançou, nesta segunda-feira (18), o edital do concurso público para o preenchimento de 71 vagas, sendo 20 para Guarda Municipal (masculino e feminino) e 51 para professores e professoras da segunda fase do Ensino Fundamental.

Das vagas oferecidas, quatro são direcionadas a pessoas com deficiência (PCD). As inscrições estarão abertas a partir da 0h do desta quinta-feira (21) até às 23h59min do próximo dia 14 de abril, sendo o dia 16 de abril o último dia para o pagamento do boleto bancário, observado o horário oficial de Brasília-DF. O Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBCF) é a empresa responsável pela realização do certame.

As inscrições serão realizadas exclusivamente pela internet, no site da IBCF (ibcf.org.br). No portal da Prefeitura de Conde, os interessados também podem acessar a página inicial do site (conde.pb.gov.br) e clicar no banner do concurso que será imediatamente direcionado para a página onde será realizada a inscrição.

A prefeita Márcia Lucena (PSB) comentou a realização do concurso público. “A quantidade de vagas foi definida por meio de um estudo realizado pelas secretarias de Educação e Administração, que identificaram a necessidade de contratação para professores e professoras da segunda fase do ensino fundamental e na Guarda Municipal, para reforçar o efetivo atual”, destacou.

Márcia destacou também a importância da realização de um novo concurso, visto que o certamente realizado em 2016 pela gestão anterior foi anulado devido às inúmeras irregularidades encontradas.

“Este concurso era esperado desde o início de nossa gestão e também é uma forma de oferecer às pessoas um concurso transparente, realizado dentro da lei e para evitar determinadas situações, como as que aconteceram no concurso de 2016, onde muitas pessoas foram prejudicadas”, pontuou.

Saiba mais
Das 20 vagas para a Guarda Municipal, 14 são para o sexo masculino e seis para o feminino. As vagas professor do Ensino Fundamental II são para artes, ciências, educação física, geografia, história, língua inglesa, língua portuguesa, língua portuguesa/libras e matemática.

A taxa de inscrição do concurso da Prefeitura de Conde para os níveis médio e superior é de R$ 62,00. As provas objetivas e discursivas serão realizadas no município de Conde e em João Pessoa no dia 19 de maio. O local e horário onde o candidato realizará a prova, constarão no cartão de convocação, que será liberado para consulta a partir do dia 13 de maio, no site da IBCF.

Confira abaixo o quadro de vagas
Guarda Civil Municipal – 3ª Classe (Masculino) – 14 Vagas

Guarda Civil Municipal – 3ª Classe (Feminino) – 6 Vagas

Professor B – Artes – 4 Vagas

Professor B – Ciências – 4 Vagas

Professor B – Educação Física – 2 Vagas

Professor B – Geografia – 5 Vagas / 1 PCD

Professor B História – 5 Vagas / 1 PCD

Professor B – Língua Inglesa – 4 Vagas

Professor B – Língua Portuguesa – 15 Vagas / 1 PCD

Professor B – Língua Portuguesa – LIBRAS – 1 Vaga

Professor B – Matemática – 11 Vagas / 1 PCD


Desembargador nega recurso de Helena Holanda para obter vaga na CMJP

 
Avatar Feliphe Rojas 

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) rejeitou agravo à suplente de vereadora Helena Holanda (PP), mantendo a vaga na Câmara Municipal de João Pessoa em status de indefinição.

Helena Holanda e outros suplentes disputam a vaga deixada pelo ex-vereador Eduardo Carneiro (PRTB), que foi empossado como deputado estadual em fevereiro deste ano.

Segundo o argumento do desembargador Leandro dos Santos, a via recursal usada pela defesa de Helena Holanda, um agravo de instrumento, não era cabível para combater o despacho agravado.

Confira os documentos:


Bolsonaro anuncia que vai "tirar do Estado tudo o que puder”


Bolsonaro informou que mais 22 aeroportos serão estudados na 6ª rodada de concessões.

Bolsonaro anuncia novas privatizações (Foto: Reprodução)
O presidente Jair Bolsonaro anunciou, nesta terça-feira (19), mais privatizações.

“No Brasil, as privatizações visam o combate à corrupção bem como a geração de renda e empregos. Seguimos o prometido durante a campanha: tirar do Estado tudo o que puder ser administrado pela iniciativa privada", disse o presidente.

Bolsonaro informou que mais 22 aeroportos serão estudados na 6ª rodada de concessões.

"Eles vão do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Goiás, Tocantins, Piauí, Pernambuco até o Maranhão", finalizou.


Justiça determina liberdade de pai e filho que mataram assaltante em Cabedelo


A liberdade foi concedida pela juíza Ana Carolina durante audiência de custódia realizada nesta segunda-feira (18), no Fórum Criminal de Cabedelo.

Pai e filho haviam sido presos nesta segunda-feira (Foto: Walla Santos)
A Justiça da Paraíba determinou a liberdade do pai e filho que mataram um homem suspeito de tentar assaltar e atirar na família em Cabedelo. A liberdade foi concedida pela juíza Ana Carolina durante audiência de custódia realizada nesta segunda-feira (18), no Fórum Criminal de Cabedelo.

O suspeito foi alvo de facadas e disparos de arma de fogo, após três homens tentarem assaltar uma residência em Cabedelo. O pai, o filho e uma criança de 3 anos ficaram feridos com disparos de armas de fogo.

O pai e o filho ficaram presos após a delegada Vanderleia Gadi, da Delegacia de Homicídios de João Pessoa, decretar a prisão dos dois.

clickpb.com.br

 


Procurador comenta que desde o ano passado vem apurando denúncias de ‘candidaturas laranjas’ na PB

Procurador comenta que desde o ano passado vem apurando denúncias de ‘candidaturas laranjas’ na PB
Passado as eleições 2018, ficaram as ações e investigações eleitorais para apurar desvios de mais de R$ 100 milhões com supostas candidaturas laranjas. Indícios de fraudes na utilização da cota de gênero estão sendo apresentados em vários Estados. No Estado da Paraíba essas investigações vêm sendo apurado pela Procuradoria Regional Eleitoral da Paraíba (PRE-PB), que tem à frente o procurador regional Victor Veggi.

Para Victor Veggi, a PRE-PB vem apurando denúncias desde o final do ano passado, atuando de ofício e monitorando especialmente os repasses do Fundo Partidário para as postulações femininas, observando o percentual fixado na legislação, e o que foi aplicado pelos partidos e coligações. Além de situações que estão sendo acompanhadas pelo órgão desde 2018, fatos recentes noticiados pela imprensa, com indícios de irregularidades, estão sendo analisados e não podem ser apresentados, porque seguem em sigilo, para não atrapalhar as apurações.

 

O Procuradoria Regional Eleitoral da Paraíba, lembra que ainda nas eleições de 2018, buscou via o Fórum Paraibano de Combate à Corrupção (Focco-PB) incentivar os cidadãos a buscarem informações sobre o passado de pessoas que se declararem candidatas a cargos eletivos, como também a contribuíu para que os ‘fichas-sujas’ não tenham êxito nas próximas eleições.

 

De acordo com, Victor Veggi, a ideia era que a população soubesse mais sobre a pessoa que estava pedindo seu voto e também se torne-se parceira dos órgãos de fiscalização no combate aos ‘fichas-sujas’.


Áudio vazado mostra distanciamento entre Julian e clã Bolsonaro

 Áudio vazado mostra distanciamento entre Julian e clã Bolsonaro

Áudio vazado mostra distanciamento entre Julian e clã Bolsonaro
Ainda sobre o áudio vazado semana passada do deputado federal Julian Lemos, do PSL, em conversa com o secretário-geral do PSL na Paraíba e assessor do Ministério do Turismo, Fabio Nobrega Lopes, em um dos trechos, o parlamentar paraibano, que jurou fidelidade ao presidente Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral e até mesmo após a posse, fez uma espécie de desabafo ao relatar que ‘as coisas estavam diferentes‘.

A frustração é evidente quando o parlamentar relata como está o andamento do Governo. El começa afirmando que ele pensava que ia acontecer uma coisa e acabou acontecendo outra:Julian revela que ‘o negócio está muito diferente, até mesmo na questão de acesso.

"O negócio está muito difícil, está muito diferente. Eu pensei que a coisa ia ser de um jeito e agora é outra", lamentou Lemos.

Mais adiante Fábio diz que acredita que os cargos serão rateados entre os deputados para que seja aprovada a reforma da previdência, uma espécie de ‘pirulito‘ para conquistar os apoios. Julian, por sua vez, assevera que mesmo com o ‘pirulito‘ - uma espécie de doce para agradar a criança chorona - este não surtirá o efeito, e segue com o desabafo, dando a entender que está sendo ignorado pela cúpula do planalto ao fazer uma comparação de que não estaria sendo reconhecido.

"Vão dá um pirulito para cada um e não vai funcionar, escute o que eu estou lhe dizendo. Tem muita coisa ali. Eu não conheço ali não. Estou falando no sentido de.acesso entendeu. Quer comparar, é a mesma coisa de eu ir nos cantos e não te conhecer, isso não existe não. O povo tá tudo brocha, tá todo mundo. Vamos ver o que acontece, eu sei que estou muito brocha, estou na minha, vou esperar para ver o que acontece aí", disse.

Após a repercussão da conversa, Lemos reagiu afirmando se tratar de um crime a interceptação telefônica

"O áudio é crime. É uma violação gravíssima, uma agressão, um fato grave. Isso aí vai rolar Polícia Federal. É extremamente absurdo isso. Não tem nada que desabone, única coisa que vejo criminosa é a gravação ilegal. Sou um deputado federal, imagine se os deputados agora têm seu sigilo telefônico quebrado", disse.

Feita sem o conhecimento dos dois interlocutores, a gravação de fato surgiu a partir de um grampo telefônico, segundo informou uma fonte ao GLOBO. Sem citar nomes, Julian Lemos atribuiu o grampo a adversários políticos.

"Descobri a fonte, descobri tudo, foi uma armaçãozinha que fizeram. Estou pegando mais informação para chegar aonde quero. É coisa minha", emendou Lemos.

As indicações políticas apontadas por Lemos no telefonema ainda não foram oficializadas. Nesta semana, depois de O GLOBO procurar o deputado para comentar o teor do diálogo, Lemos anunciou em suas redes sociais que “abre mão” de indicar pessoas para ocupar cargos federais.

Na conversa, ocorrida em fevereiro, o secretário do PSL paraibano menciona uma reunião na Casa Civil na qual, segundo ele, ficou acertado que os cargos “a nível estadual” seriam distribuídos depois do carnaval. Ainda de acordo com Fábio Nobrega Lopes, o ministro-chefe da pasta, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), participou de um dos encontros nos quais eram discutidas as trocas de indicações a cargos na máquina federal por votos favoráveis à reforma da Previdência. O GLOBO procurou Onyx, por meio de sua assessoria, mas ele não comentou o diálogo.

Distribuição para todos

Lemos relata que, na reunião, Carlos Manato, secretário-geral para a Câmara do governo, diz que haverá cargos para todos os deputados, menos para os que são do PT e de outros partidos de esquerda.

Na conversa, Lemos e Nobrega discutem o preenchimento de um cargo na Funasa com salário líquido de R$ 7 mil, que consideram baixo, mas que controlaria uma alta gestão de recursos liberados pela Casa Civil.

Nobrega Lopes foi nomeado em 30 de janeiro para um cargo comissionado na secretaria-executiva do Ministério do Turismo, com salário R$ 10.673,30. A secretaria-executiva é vinculada diretamente ao gabinete do ministro Marcelo Álvaro Antônio, investigado pela Polícia Federal acusado de promover candidaturas de laranjas nas eleições de 2018.

Há dois dias, o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), anunciou a liberação de cerca de R$ 1 bilhão em emendas parlamentares. O anúncio ocorreu em meio à pressão de partidos políticos que criticam a articulação do governo junto ao Congresso. Na terça, o presidente Bolsonaro negou, pelo Twitter, que as verbas tenham sido liberadas “para a aprovação da Nova Previdência”.

Em vídeos divulgados nas redes sociais de Bolsonaro, Lemos foi apresentado mais de uma vez como coordenador, no Nordeste, da campanha presidencial de 2018. Muito próximo ao ex-ministro Gustavo Bebianno, então presidente do PSL, Lemos foi vice-presidente do diretório nacional do partido durante campanha e pré-campanha.

 

 

PB Agora com O Globo

 


João Azevêdo lança Programa Paraíba Rural Sustentável nesta terça-feira

Francisco Franca
Francisco Franca

 O governador João Azevêdo lança, nesta terça-feira (10), o Programa Paraíba Rural Sustentável, executado pelo Cooperar, que tem como objetivo melhorar o acesso à água, reduzir a vulnerabilidade agroclimática e aumentar o acesso a mercados da população rural da Paraíba.

O Programa será lançado às 10h, na Sala de Concertos Maestro José siqueira, no Espaço Cultural José Lins do Rêgo, em João Pessoa.

“O Projeto Cooperar esteve paralisado durante algum tempo, porque um empréstimo foi aprovado há um ano e cinco meses com o Banco, mas o Estado não tinha sido autorizado pelo Governo Federal, até dezembro do ano passado, a contrair empréstimo. Então fomos chamados este ano pelo Banco Mundial dizendo que teríamos até dia 20 de março para cumprir todas as etapas, se não os recursos desse convênio não viriam mais para a Paraíba. Montamos uma equipe e num esforço muito grande conseguimos assinar esse empréstimo”, frisou João Azevêdo.

Serão investidos recursos na parte de segurança hídrica, perfuração de poços, implantação de dessalinizadores, implantação de sistemas de abastecimento, para levar à comunidade rural recursos de uma maneira direta, “implantando inclusive os arranjos produtivos locais, seja de usinas de beneficiamento de mel, seja na produção de qualquer produto que venha a partir da agricultura”, afirmou o governador.

MaisPB

 

 

 

 


Supremo mira em Aguinaldo Ribeiro

 Tiaolucena.com,br

A segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF) irá analisar, no próximo dia 26 de março, se aceita denúncia contra Aguinaldo Ribeiro e outras lideranças do PP por associação criminosa, corrupção passiva e ativa, além de lavagem de dinheiro.

De acordo com a denúncia, Aguinaldo Ribeiro e demais membros do PP, liderados por Ciro Nogueira, teriam utilizado da influência na administração pública direta e indireta para arrecadar propinas através de três órgãos públicos em destaque: Petrobras, Caixa e Ministério das Cidades.

Aguinaldo Ribeiro foi, inclusive, ministro das Cidades entre 2012 e 2014. De acordo com o relatório do ministro Edson Fachin, Aguinaldo e mais sete nomes ligados ao PP faturaram R$ 380 milhões em propinas e causaram um rombo de R$ 29 bilhões à Petrobras.

O Blog entrou em contato com o advogado de Aguinaldo Ribeiro, Roberto Podval, e foi atendido pela assessoria do mesmo, que se prontificou de uma enviar uma resposta à demanda. Até este momento, não recebemos nenhuma resposta.


Aumenta rejeição e cai aprovação ao governo Bolsonaro, aponta pesquisa XP/Ipespe


Por Congresso Em Foco Em 18 mar, 2019 - 14:11 Última Atualização 18 mar, 2019 - 

Bolsonaro
Pesquisa mostra que vídeo obsceno postado pelo presidente em suas redes sociais para criticar o Carnaval não foi bem recebido pela população Marcelo Camargo/Agência BrasilMarcelo Camargo/Agência Brasil
Aumentou a rejeição ao governo Jair Bolsonaro, ao mesmo tempo em que caiu a aprovação. São dados apontados pela pesquisa XP/ Ipespe, divulgada nesta segunda-feira (18).

De acordo com o levantamento, 24% dos mil entrevistados consideram a gestão do presidente como ruim ou péssima, percentual que, em fevereiro, era de 17% e, em janeiro, 20%. Por outro lado, 37% avaliam o governo como ótimo e bom, quando nos dois meses anteriores essa classificação era de 40%. Há ainda 32% que julgam como regular.


O nível de “ótimo” e “bom” atribuído à gestão Bolsonaro em março é mais baixo que o registrado por outras pesquisas durante, por exemplo, a primeira gestão da petista Dilma Rousseff.

Leia mais
Aposentadoria de militares e relatoria devem destravar reforma da…

18 mar, 2019
Secretário de Previdência diz que proposta de reforma “não tem…

15 mar, 2019
Em janeiro, 63% dos entrevistados esperavam que Bolsonaro faria uma gestão ótima ou boa. O percentual caiu para 60% em fevereiro e agora está em 54%. Já o grupo dos que esperam um mandato ruim ou péssimo passou dos 15% registrados em janeiro e fevereiro para 20% agora, neste mês.

O número de pessoas que acha o noticiário que envolve o governo e o presidente Jair Bolsonaro mais desfavoráveis à gestão é de 43%. Em fevereiro esse percentual estava em 24%.

Por outro lado, caiu o número de quem acredita que as notícias veiculadas recentemente em televisão, jornais, rádios e na internet sejam mais favoráveis ao governo. Passou de 34% para 21%.

Inadequado nas redes


O levantamento questionou os entrevistados sobre a polêmica postagem feita pelo presidente em suas redes sociais, na qual ele divulgou um vídeo obsceno para criticar o Carnaval. De acordo com a pesquisa, 72% tomaram conhecimento da publicação. Desses, 59% consideraram o conteúdo inadequado, 27% classificaram a postagem como inadequada e 3% se disseram indiferentes.

Previdência

No questionário havia ainda perguntas sobre reforma da Previdência. Para 64% dos entrevistados, a medida é necessária, mesmo resultado do mês anterior. O percentual de pessoas contrárias é de 31%, um aumento de 2% em relação a fevereiro.

Metodologia

A pesquisa XP/Ipespe foi feita por telefone entre os dias 11 e 13 de março. E ouviu mil entrevistados em todas as regiões do país. O nível de confiança é de 95,45%.


Proposta da Defesa para reforma inclui aumento para os militares

 

 

A exigência dos parlamentares para fazer a Reforma da Previdência tramitar no Congresso já foi cumprida: na última quarta-feira, o Ministério da Defesa encaminhou à pasta da Economia uma proposta que inclui a reestruturação de toda a carreira das Forças Armadas, e prevê aumento de salário para a categoria, elevação de alíquota de contribuição previdenciária, aumento no tempo de serviço. Mas, em contrapartida, a regra de transição dos militares, que tramitará por meio de projeto de lei e não emenda constitucional, será mais branda do que a prevista para a inciativa privada e dos servidores civis, conforme informações da Agência Estadão Conteúdo.

Segundo o texto, os militares terão seu tempo de serviço mínimo de permanência na carreira ampliado de 30 para 35 anos. Mas para que isso ocorra será criado o cargo de sargento-mor, com adicionais de salários, que vão variar de acordo com postos e graduações. Esta seria uma forma de recompensar, segundo o ministério, a exigência, a responsabilidade e o tempo que o militar fica disponível, além de ajustar os valores dos cursos de capacitação dos militares.

Ainda pela proposta enviada pela Defesa, a contribuição previdenciária sobe dos atuais 7,5% para 10,5% e passa a ser cobrada de todos, incluindo alunos de escolas miliares, recrutas e pensionistas. O desconto referente à assistência médica e pensões vai a 14%.

A proposta foi criticada por especialistas em Direito Previdenciário. "Em tempos que se discute a retirada de direitos sociais na Reforma da Previdência, o aumento do tempo de permanência na carreira dos militares vem ‘compensada‘ com adicionais de salários e contribuição menor que a média dos demais trabalhadores com a mesma faixa salarial. Onde está a retirada dos privilégios?", questiona Adriane Bramante, presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP).


Transição vai ser maior para iniciativa privada

Ao contrário dos trabalhadores da iniciativa privada, que terão que pagar um "pedágio" de 50%, os militares terão tempo extra que vai variar de 15% a 20%. O pedágio mais leve deverá ser "pago" por integrantes das Forças Armadas, da Polícia Militar e dos Bombeiros para entrar na reserva.

Ou seja, um militar que já completou 25 anos de serviço, por exemplo, precisa trabalhar, pelas regras atuais, mais cinco anos. Mas se a PEC 6 for aprovada, esse militar terá que trabalhar até 20% a mais do período restante. O cálculo é limitado aos cinco anos de aumento no tempo mínimo de serviço. O pedágio dos militares é, inclusive, menor que o dos parlamentares (30%), pondera Adriane Bramante. "Ou seja, a regra do pedágio dos trabalhadores é de 50% e a dos ‘privilegiados‘ é de 15, 20% ou 30%. Um absurdo", critica.

No setor privado poderá ter acesso aos 50% quem se aposentar por tempo de contribuição e isso será possível para quem tem apenas mais dois anos para cumprir os requisitos (30 anos para mulheres e 35 anos para homens).

Os trabalhadores que não se encaixarem nessas regras terão que cumprir a idade mínima, que será de 62 anos para mulher e de 65 anos para homens. E essa idade pode ser maior pois PEC 6 prevê um gatilho que aumenta a idade cada vez que o IBGE eleva a expectativa de sobrevida, alerta Guilherme Portanova, advogado da Faaperj.

"Um homem que tenha hoje 40 anos terá que trabalhar mais 25 para ter direito ao benefício, de acordo com a idade mínima. Mas como a cada quatro anos esse período sobe um ponto, quando esse trabalhador atingir os 65 anos, a idade mínima terá ido a 69 anos", explica.
Fonte: O dia


Sidebar Menu