Lucas anuncia saída do PSL e culpa Bolsonaro

 

O vereador Lucas de Brito não faz mais parte do Partido Social Liberal (PSL). Lucas, que chegou a ser presidente do partido no estado, atribui sua saída à chegada do presidenciável Jair Bolsonaro na legenda. O vereador fez o anúncio em suas redes sociais na manhã desta segunda-feira (15).

De acordo com o parlamentar, o partido está ignorando pauta liberal e focando apenas em um nome. “Para ter um presidenciável em suas fileiras, sacrificou a pauta liberal. A prioridade do PSL não é mais uma ideia (a defesa da liberdade), e sim uma pessoa: Jair Bolsonaro”, escreveu ele.

O vereador também criticou atual presidente do partido na Paraíba, Julian Lemos. Segundo Lucas, isso também motivou os fundadores da legenda se desfiliarem do partido.

“Eu me nego a celebrar alianças que violentem meus princípios, meus valores ou minha crença na liberdade”, ressaltou o parlamentar, que garante que decisão não vai mudar seus planos para 2018.

Lucas de Brito afirmou que continua na corrente Livres, que também deixa o PSL.

Confira publicação:

O Partido Social Liberal rendeu-se ao pragmatismo político. Para ter um presidenciável em suas fileiras, sacrificou a pauta liberal. A prioridade do PSL não é mais uma ideia (a defesa da liberdade), e sim uma candidatura à Presidência da República. . Diante dessa nova realidade, decido sair do PSL. Eu me NEGO a celebrar alianças que violentem meus princípios, meus valores ou minha crença na LIBERDADE. Permaneço integrando o LIVRES, que também deixa o PSL. . Essa decisão em nada muda o planejamento que fiz para 2018. Minha história política não depende de apadrinhamentos, de siglas partidárias, de presidenciáveis. Eu sou LIVRES!

 


Combustíveis e gás de cozinha sofrem reajustes a partir desta terça-feira na Paraíba

A partir desta terça-feira (16), o preço médio ponderado ao consumidor final para os combustíveis sofrerá alterações na Paraíba. O reajuste foi determinado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

O preço médio da gasolina ficará em R$ 4,0113; o diesel fica em R$ 3,3557; o GNV é de R$ 2,8377; o etanol terá um preço médio de R$ 3,0758.

O gás de cozinha orçado em R$ 65,00 terá um aumento de R$ 2,00 e passará a custar R$ 67,00.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Revendedores de Gás GLP da Paraíba (Sinregás-PB), Marcos Bezerra, todas as revendedoras devem repassar o reajuste aos consumidores.

Ele explicou que o reajuste se dará por conta do aumento do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) determinado pelo governo federal.


Inscrições abertas: Concurso da Polícia Militar oferece mil vagas e salário de até R$ 2, 9 mil

Já estão abertas a partir de amanhã (17) as inscrições para o concurso da Polícia Militar do Rio Grande do Norte.

As inscrições poderão ser feitas pela internet no site da organizadora. A taxa de inscrição custa R$ 100,00. O período de inscrições vai até o dia 08 de fevereiro, e o último dia para pagar o boleto da inscrição é no dia 09.

O concurso público de nível médio da Polícia Militar do Rio Grande do Norte (PMRN) teve seu edital publicado na edição desta terça-feira (16) do Diário Oficial do Estado. O certame oferece 1 mil vagas para nível médio. Confira aqui o edital.

As provas objetivas estão previstas para ser realizadas no dia 04 de março.

O quadro de vagas oferece 938 vagas para Praça da Polícia Militar Masculino e 62 para Praça da Polícia Militar Feminino. Os vencimentos são de R$ 954 durante o Curso de Formação e R$ 2.904 após ingresso.


RedaçãoClickPB


Vereador petista diz que eleição de Cartaxo seria retrocesso à PB

 
Vereador petista diz que eleição de Cartaxo seria retrocesso à PB
Por Redação Paraíba Já - 

O vereador Marcos Henriques (PT) disse nesta segunda-feira (15), durante entrevista ao programa Café Com Notícia, apresentado pelo jornalista Marcos Wéric na TV Master, que seria um retrocesso para a Paraíba eleger o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), como governador do Estado.

Henriques disse que não é daqueles oposicionistas do “quanto pior, melhor”, reconheceu que até houve alguns avanços na administração municipal, mas classificou a gestão Cartaxo como lenta. Segundo ele, depois que a Paraíba experimentou o ritmo e o modelo de gestão implementado pelo governador Ricardo Coutinho (PSB), eleger Cartaxo como próximo governador poderia ser considerado um retrocesso.

O vereador reafirmou sua pré-candidatura a deputado federal e defendeu a campanha para que a população eleja parlamentares comprometidos com os ideias progressistas.


Luciano Cartaxo finca-pé e garante definição de candidatura ao governo do Estado até o final do mês

 
Prefeito cobra reunião da oposição e deixa claro que decisão sobre candidatura sairá em até 15 dias

Por: Blog do Gordinho
Não ficou muito claro se o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), vai esperar ou não uma decisão conjunta dos partidos da oposição sobre a composição da chapa majoritária para as eleições, mas o recado do prefeito foi claro e objetivo: não vai esperar mais de 15 dias para lançar sua candidatura ao governo do Estado.

Leia também: Maranhão credita à gestão de Cartaxo boatos e diz que fala de presidente do Senado põe fim a ‘fantasias’

MDB de João Pessoa abre dissidência da estadual e define apoio à pré-candidatura de Luciano Cartaxo

Em entrevista concedida nesta segunda-feira (15), Cartaxo admitiu que há divergências dentro da oposição em relação ao prazo de definição, mas o prefeito foi enfático ao defender que o grupo “feche questão” ainda em janeiro.

“A minha leitura pessoal é de que a gente deve ter esse debate com maturidade e uma definição em janeiro. Sabemos a importância disso, do diálogo e da antecipação, para chegar junto num processo que possa ter unidade”, disse Cartaxo.

Embora Cartaxo garanta que não haverá imposição, o partido demonstra que sua candidatura é “prego batido, ponta virada”. Em entrevista recente, o presidente do PSD, Rômulo Gouveia, garantiu que a legenda está à disposição de Cartaxo e que essa decisão não será submetida ao aval de outros partidos.

Enquanto isso, Cartaxo segue mandando recados: “Continuo entendendo que o momento é agora em janeiro. Fazer essa discussão de forma clara e verdadeira (…) Temos que ter maturidade para perceber o sentimento da população e o que nós queremos apresentar de novo. Espero que no mês de janeiro possamos sentar, fazer a discussão sobre os rumos da Paraíba, que passa por um programa de governo , composição da chapa majoritária e definição de quem vai representar as oposições no cargo de governador”.


Ricardo anuncia entrega do Hospital de Santa Rita e de mais de R$ 400 milhões em obras até março


Anúncio foi feito durante o programa Fala Governador, transmitido em cadeia estadual pela Rádio Tabajara

Por: Blog do Gordinho
O governador Ricardo Coutinho anunciou, nesta segunda-feira (15), um pacote de 104 obras que serão entregues até o mês de março deste ano, incluindo o Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, somando R$ 406 milhões de investimento. Entre as obras estão escolas, adutoras, barragens, hospitais e estradas. O anúncio foi feito durante o programa Fala Governador, transmitido em cadeia estadual pela Rádio Tabajara.

“Estamos conseguindo fazer mais com menos. Apesar deste momento prolongado de crise econômica no país, a Paraíba mantém o ritmo de obras e permanece com pagamento tudo em dia. Já começamos o ano com este pacote importante de obras que serão entregues ao povo da Paraíba, no primeiro trimestre do ano”, comentou Ricardo Coutinho.

O governador destacou que serão entregues mais de R$ 114 milhões em estradas, entre pavimentações, restaurações e regularizações de rodovias. Entre as obras estão: a pavimentação da PB 048: Pilar/ Juripiranga e da PB 221: São João do Tigre/ Camalaú neste mês de janeiro; Restauração da PB 018: Entroncamento BR 101/ Conde/ Jacumã, Pavimentação da Avenida Jair Cunha Cavalcante em fevereiro; Pavimentação da PB 138: Catolé de Boa Vista/ Boa Vista, Pavimentação da PB 186: Caraúbas/ São Domingos do Cariri, Pavimentação da Perimetral Sul e outras obras para serem entregues em março.

Ainda de acordo com o governador, serão inauguradas cerca de 40 obras (R$ 187 milhões) de responsabilidade da Superintendência de Obras do Plano de Desenvolvimento do Estado (Suplan), em áreas como educação, saúde e infraestrutura. Entre elas, estão o Hospital Metropolitano; a recuperação do Aeródromo de Itaporanga e de Sousa; conclusão do Parque Linear Parahyba (2ª etapa); Entrega de três Escolas Técnicas (Campina Grande, Patos e Serra Branca); Reforma da Escola Félix Araújo, em Campina Grande; reforma do Teatro Íracles Pires, em Cajazeiras; conclusão da reforma da Funad, em João Pessoa, entre outras obras.

O Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, em Santa Rita, representa mais de R$ 110 milhões de investimento, sendo R$ 70 milhões (estrutura) e cerca de R$ 40 milhões (equipamentos), sendo a maior obra que será entregue até março. “É um Hospital que vai ser referência em cardiologia e neurologia e que vai fazer a diferença na vida dos paraibanos. Será um avanço extraordinário para a saúde”, frisou o governador.

Neste primeiro trimestre de 2018, também serão entregues diversas obras que vão trazer segurança hídrica para as populações de várias cidades paraibanas. As adutoras de Diamante/Boa Ventura, de Jericó/Mato Grosso, de Pilões/Areia, a Rede de Distribuição de Assunção e o Esgotamento de Santa Rita, Cabedelo e Alhandra estão entre as obras realizadas pela Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), que serão inauguradas até março.

Ainda na área de recursos hídricos, o Governo do Estado vai inaugurar, durante o primeiro trimestre, a Barragem Riacho Fundo, em Tenório, a Barragem Coronel Jueca, em Desterro, a Barragem Cacimbinha, em São Vicente do Seridó, o abastecimento de Santo André, a adutora Sucuru, em Sumé, entre outras.

As obras serão entregues por todas as regiões do Estado, somente a cidade de Campina Grande, por exemplo, vai receber uma Escola Técnica, a conclusão da estrada PB-138, a pavimentação do acesso ao Cidade Madura, a entrega da Escola Estadual Irmã Joaquina, entre outras obras.

“Esse é o ritmo da Paraíba e do Governo do Estado, que trabalha para melhorar a vida da população. Nosso Estado tem pressa em caminhar para frente”, ressaltou o governador Ricardo Coutinho.


Pedidos de aposentadoria de servidores federais sobem 50%

 

 

O número de servidores federais civis que pediram aposentadoria entre janeiro e novembro de 2017 aumentou quase 50% (46,7%) para 21.371 na comparação com o mesmo período em 2016, quando 14.563 solicitaram o benefício, de acordo com dados do Ministério do Planejamento. Faltando um mês para fechar os dados do ano passado, o número de aposentadorias requeridas é o maior desde 1998, quando 24.483 foram solicitadas. Em todo o ano de 2016, os pedidos chegaram a 15.499.

Para analistas, o aumento expressivo nos pedidos em 2017 pode ser um efeito das discussões sobre a reforma da Previdência, mas eles ressaltam que a idade média do servidor público federal é alta, em torno de 45 anos, e que a tendência é que os pedidos aumentem. Servidores na ativa com idade acima de 41 anos são 56,5% do total. Os que estão acima de 51 anos somam 36%.

"Houve um aumento expressivo no primeiro semestre. Depois, os pedidos mensais passaram a ser similares aos de 2016. É normal esse crescimento sempre que há discussão sobre reforma. Mas há uma parte que se deve simplesmente ao envelhecimento do corpo de servidores", diz Leonardo Rolim, ex-secretário de Políticas de Previdência e atual consultor da Câmara.

Questionado, o Ministério do Planejamento afirmou, por meio da assessoria de imprensa, ser possível que as discussões da reforma tenham incentivado mais aposentadorias, mas a pasta também ressalta a questão etária.

"Não se pode negar que a proposta de reforma previdenciária possa ser um motivador dos pedidos de aposentadoria, mas há outros fatores potencializadores, como a idade média elevada dos servidores do Executivo federal, o que torna muitos aptos a pleitearem o benefício", diz o ministério. Em 2016, a idade média dos aposentados do setor público federal foi de 59 anos (61 homens, 58 mulheres).

André Gamerman, da ARX Investimentos, ressalta que uma eventual reforma não deve retirar direitos de quem já está muito perto de se aposentar, ou preenche os requisitos para já fazer o pedido, mas há o efeito psicológico das discussões. "Há certa insegurança e, às vezes, desconhecimento. Por via das dúvidas, o servidor se aposenta." Para o economista, o cenário reforça a importância de uma reforma que eleve a idade mínima de aposentadoria do servidor.

Rolim também aponta a importância da reforma e ressalta que quase 20% dos servidores federais têm abono de permanência, ou seja, têm o direito a se aposentar, mas continuam trabalhando. Com o abono, o governo devolve a contribuição previdenciária do servidor em troca de tê-lo por mais tempo na ativa.

Trata-se de mecanismo criado na década de 90, no governo Fernando Henrique Cardoso, para estimular aposentadoria mais tardia dos funcionários públicos. Essa medida tem sido particularmente importante em órgãos como INSS, onde, segundo Rolim, cerca de 30% dos servidores estão em abono de permanência.

Outra parte, ainda que pequena, dos servidores, pode ser estimulada a solicitar o benefício a partir de 2019, quando aqueles que recebem gratificação de desempenho poderão levar para a aposentadoria até 100% das gratificações, em vez dos 50% até 2016. Quem se aposentou em 2017 incorpora 67% dessas gratificações, em 2018, 84% e, em 2019, 100%. "Isso quer dizer que há um ´represamento" de aposentadorias. Nos próximos anos, independentemente da reforma. aumentará o número de inativos", diz Rolim.

O Poder Executivo tem 1,272 milhão de servidores civis, dos quais 635 mil estão na ativa, número um pouco menor que o dos aposentados (397 mil) e pensionistas (240 mil) somados. Na administração direta (Presidência da República, ministérios, secretarias e órgãos subordinados, como Receita Federal), a proporção de servidores na ativa é de apenas 38,6% do total, segundo dados do Ministério do Planejamento de dezembro de 2016.

No Executivo total (incluindo autarquias e fundações), o percentual sobe a 53,7%. No Legislativo e no Judiciário, a relação é mais favorável, com 68,6% e 80,6% dos servidores na ativa, respectivamente. Contando militares, os Poderes Legislativo, Judiciário e o Ministério Público da União abrangem 2,2 milhões de servidores, dos quais 1,2 milhão na ativa.

Segundo o Ministério do Planejamento, cerca de 210 mil servidores poderão se aposentar nos próximos dez anos. A reposição, no entanto, não é automática nem imediata. "Dependerá das condições fiscais, da evolução da tecnologia, da análise de real necessidade da força de trabalho, entre outros fatores", diz a pasta.

Kaizô Beltrão, professor da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, da Fundação Getulio Vargas (FGV), parte desses servidores são funcionários de nível médio e exercem funções que não serão mais necessárias daqui a uma década. Além disso, diz, os serviços públicos têm se beneficiado da informatização e de ganhos de escala. "Claro que há uma parte do pessoal que terá que ser reposta, mas o número será menor."

Fonte: Valor Econômico,


Balança tem superávit de US$ 1, 4 bilhão nas duas primeiras semanas do ano

José Patricio - Estadão
José Patricio - Estadão


DO DIA 1° ATÉ O DIA 14, EXPORTAÇÕES SOMARAM US$ 7,07 BILHÕES

EXPORTAÇÕES NO PERÍODO SOMARAM US$ 7,076 BILHÕES E AS IMPORTAÇÕES, US$ 5,581 BILHÕES (JOSÉ PATRÍCIO/ESTADÃO CONTEÚDO)
PUBLICIDADE

A balança comercial registrou, na segunda semana de janeiro, superávit de US$ 983 milhões, com crescimento nas exportações e importações na comparação com a primeira semana e com o mesmo período do ano passado. Nas duas primeiras semanas do ano, as exportações somaram US$ 7,076 bilhões e as importações, US$ 5,581 bilhões, gerando saldo positivo de US$ 1,494 bilhão.

Na semana passada, o superávit foi gerado após um resultado de US$ 4,120 bilhões nas exportações e US$ 3,138 bilhões nas importações.
De acordo com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, os números se devem ao aumento na exportação de produtos básicos e semimanufaturados. É o caso do petróleo, milho em grão, farelo de soja e dos metais em bruto. Já as importações subiram devido ao comércio de produtos como eletroeletrônicos, combustíveis, adubos, fertilizantes, bebidas e cereais.

“Nas exportações, se comparadas as médias até a segunda semana deste mês (US$ 786,2 milhões) com a média registrada em janeiro de 2017 (US$ 677,6 milhões), houve crescimento de 16%, em razão do aumento nas vendas das três categorias de produtos: manufaturados (19,5%), básicos (17,2%) e semimanufaturados (6,3%)”, informou a pasta, com relação às médias diárias.

Já a média do comércio de produtos que o Brasil importou também subiu em relação às mesmas semanas do ano passado, ocasionando uma alta de 11,8% nas importações. (ABr)

 

Diariodopoder.com.br

 

 


Lado mais fraco - Delator das varreduras contra escutas da PF é demitido do Senado



André Brito

PAULO DENUNCIOU TENTATIVA DE ATRAPALHAR INVESTIGAÇÕES DA LAVA JATOPUBLICIDADE

Em outubro de 2016, Paulo Igor Bosco Silva, então segurança legislativo no Senado Federal, denunciou um esquema de varreduras constantes realizadas pelos servidores nas residências de senadores e ex-senadores para identificar escutas da Polícia Federal. Ele foi demitido do serviço público nesta segunda (15), com base em um processo administrativo que, raramente resulta em alguma punição.
A denúncia de Paulo motivou uma operação da PF, que interpretou a atitude dos políticos como uma tentativa de embaraçar as investigações da operação Lava Jato.

Os pedidos de varredura não eram numerados para evitar o controle e facilitar a eliminação de rastros das ações secretas e ilegais. "Ordem de missão não numerada não é normal", disse Paulo, sobre a falta de controle das operações.

Na época, Paulo denunciou o uso pessoal da estrutura do Senado para uso pessoal do ex-presidente e ex-senador José Sarney, cujo escritório particular foi um dos locais submetidos à varredura.

Além de Sarney, as residências dos senadores Edison Lobão (PMDB-MA), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Fernando Collor (PTC-AL) também receberam equipes da segurança do Senado.

Diariodopoder.com.br

 


AJUFE critica ‘Alarde desnecessário‘ para julgamento de Lula pelo TRF-4

Paulo Pinto
Paulo Pinto


JUÍZES CRITICAM ‘ALARDE DESNECESSÁRIO‘ EM JULGAMENTO DE LULA

PRESIDENTE DA AJUFE CRITICA “ALARDE DESNECESSÁRIO” EM TORNO DO JULGAMENTO DE LULA PELO TRF-4 (FOTO: PAULO PINTO/FOTOS PÚBLICAS)
PUBLICIDADE

O presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Roberto Veloso, criticou nesta segunda (15) o “alarde desnecessário” em torno do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), marcado para o dia 24.
Mesmo assim, afirmou que pedirá ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e ao Ministério da Justiça medidas para garantir a segurança em Porto Alegre, onde está localizada a sede do TRF-4, durante a apreciação do caso. Veloso tratou do tema em reunião nesta segunda-feira com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do CNJ, ministra Cármen Lúcia.

O presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Guilherme Feliciano, também participou da audiência. O presidente da Ajufe admitiu a jornalistas que está preocupado com as medidas de segurança para a realização da sessão, tanto as que dizem respeito à preservação do patrimônio público (as instalações do tribunal), quanto as referentes à segurança dos desembargadores que julgarão o caso de Lula.

Mais cedo, Cármen Lúcia tratou do assunto com o presidente do TRF-4, desembargador federal Thompson Flores. Dentro do STF, a avaliação é a de que o julgamento é dos mais delicados por envolver Lula e ter impacto direto na próxima eleição. “Esse caso está tomando uma proporção que nunca se tomou no Brasil. É um caso de proporções novas e de grandes proporções, em que se está querendo a convocação de militantes, da população para haver uma pressão e até se chegar às vias de fato. Isso é o que não podemos conceber. Se o Brasil é uma democracia e existe um devido processo legal, por que se vai então partir para a violência a fim de interferir no julgamento do processo?”, perguntou Flores, ao deixar o edifício-sede do Supremo.

“Já entramos em contato com o tribunal e pretendemos emprestar todo o apoio da associação aos magistrados para que eles possam julgar com independência. Porque se nós temos julgamentos em que o que conste não seja a prova dos autos e sim a pressão que se exerce sobre a magistratura, não estamos mais num Estado Democrático de Direito, mas um Estado de opressão”, completou Veloso, ao ressaltar que os desembargadores do TRF-4 e familiares devem ter toda “a segurança possível”.

Caminho

Para o presidente da Ajufe, criou-se um “alarde desnecessário” em torno do julgamento de Lula, já que ainda caberá recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no STF. Em primeira instância, o juiz federal Sérgio Moro condenou o ex-presidente a uma pena de 9 anos e 6 meses de prisão por causa do triplex do Guarujá, na Baixada Santista (SP).

“O deferimento da candidatura daquele que está sendo acusado da prática dos crimes será feito pelo Tribunal Superior Eleitoral TSE e esse deferimento só vai ocorrer a partir de agosto. Não precisa esse alarde que se está fazendo agora, há ainda um caminho processual muito grande a ser trilhado. Mas é preciso que a Magistratura tenha condições de independência e tranquilidade para proceder o julgamento”, prosseguiu.

De acordo com o presidente da Ajufe, a presidente do STF e do CNJ afirmou na reunião que o conselho é o órgão encarregado dos prédios dos tribunais. “Diante disso, nós vamos encaminhar ainda hoje um ofício ao CNJ pedindo providências. Vamos oficializar esse pedido”, afirmou Veloso. (AE)

Diariodopoder.com.br

 


Eleição presidencial terá recorde de candidatos desde 1989

 
ELEIÇÃO PRESIDENCIAL PODE SER A MAIOR EM Nº DE POSTULANTES


A eleição presidencial de 2018 deve bater o recorde de 1989, no número de candidatos a presidente da República. Até agora já são 18 os pré-candidatos ao Planalto, incluindo nomes que se deixaram “lançar”, como o ex-presidente Lula (PT), o deputado Jair Bolsonaro (PSC), e outros como o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, deputado Rodrigo Maia (DEM) e até do presidente Michel Temer (MDB), que negam candidaturas. Em 1990 foram 20 candidatos. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
Marina Silva (Rede), Álvaro Dias (Podemos), Geraldo Alckmin (PSDB) se preparam discretamente, mas são considerados candidatos oficiais.

Também estão em campanha Ciro Gomes (PDT), Rui Pimenta (PCO), Cristovam Buarque (PPS), Manuela Dávila (PCdoB) e Zé Maria(PSTU).

O ministro Henrique Meirelles (PSD), o ex-presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro (PSC) e João Amoedo (Novo) ensaiam candidaturas.

Os pré-candidatos do Democratas (ex-PFL) devem ser candidatos aos governos de seus estados: Ronaldo Caiado (GO) e Rodrigo Maia (RJ).

 

Diariodopoder.com.br

 

 


Vinte anos após rompimento de Ronaldistas com Maranhistas, Cássio reconhece JM

 
Vinte anos após rompimento de Ronaldistas com Maranhistas, Cássio reconhece JM
Há quase 20 anos durante a memorável festa de aniversário do então governador José Maranhão, um discurso bombástico do ex-governador, senador e ex-prefeito de Campina Grande Ronaldo Cunha Lima, dividiu a política paraibana.


O rompimento histórico entre ‘ronaldistas’ e ‘maranhistas’, aconteceu no Clube Campestre em Campina Grande, em abril de 1998, em meio a um show pirotécnico.

O épico episódio do Campestre colocou em campos opostos as duas principais lideranças políticas paraibanas. Ronaldo e Maranhão se tornaram adversários politicos e o racha atingiu todo o clã Cunha Lima.

Naquele ano, Maranhão venceu a convenção do PMDB realizada no Clube Cabo Branco, e posteriormente foi reeleito governador, após derrotar Gilvan Freire.

Maranhão governou a Paraíba por três vezes, mas nas duas ocasiões em que enfrentou Cássio Cunha Lima, principal herdeiro político de Ronaldo, foi derrotado nas urnas.

As disputas entre os dois grupos pelo comando político e administrativo da Paraíba, foi acirrada em cada eleição realizadas nas últimas duas décadas. Ganhou força em Campina Grande nos pleitos estadual e municipal.

Passadas quase duas décadas do racha, as mágoas parecem que cessaram, e Cássio e Maranhão ensaiam uma nova reaproximação política. Os dois senadores já se reuniram recentemente para tratar de política e do futuro da Paraíba, e uma aliança entre o tucano e o mdbista pode está se formando. Maranhão é candidato ao Governo do Estado e deve ceder a vaga de vice para ser ocupada por um "Cunha Lima".

A divisão entre os até então aliados foi herdada por Cássio Cunha Lima, que perpetuou o racha até pouco tempo atrás, momento em que os senadores Cássio Cunha Lima e Maranhão tiveram a oportunidade de conviver lado a lado no Senado Federal.

Essa semana, pela primeira vez o senador Cássio falou publicamente de sua reaproximação com Maranhão. Disse que a vida reserva oportunidades de fazer parte da oposição e da situação. Surpreedentemente; o tucano reconheceu algumas qualidades de JM e de sua luta e favor da Paraíba.

" A vida nos proporciona a oportunidade de experimentar algumas situações. A minha convivência na bancada do Senado com o senador José Maranhão nos aproximou. Na convivência, percebi que ele não tem tantos defeitos como eu imaginava, e ele percebeu que eu não tenho tantos defeitos como ele pensava. A luta em prol da Paraíba nos aproximou e estivemos lado a lado na conquista pela conclusão da transposição, na triplicação da BR-230 de Cabedelo a Oitizeiro, da duplicação do trecho entre Campina Grande e a Praça do Meio do Mundo, entre outros. Hoje existe uma relação desobstruída e estamos convivendo bem para o bem da Paraíba – afirmou Cássio

 

Severino Lopes
PB Agora.


Sidebar Menu