Nomes que fizeram e fazem a história da Paraíba - Anthenor Navarro

ANTHENOR NAVARRO– Anthenor de França Navarro, nasceu na Parahyba do Nordeste no dia 31 de agosto de 1899 sendo filho de Francisco Xavier Navarro (Chico Navarro) e Maria das Dores Espínola de França Navarro (Yayá) descendendo de antigo tronco genealógico da cidade de Mamanguape.

Iniciou seus estudos em João Pessoa, diplomou-se como engenheiro no Rio de Janeiro em 1921, precocemente se revelou um espírito inteligente e arguto de expressiva capacidade realizadora.

Foi redator do Jornal A União, sendo crítico literário se integrou a Escola Intelectual Paraibana dos anos vinte, fundou em 1923 a revista literária A Novela tinha refinado gosto pela música clássica.

Era amigo do Dr. Epitácio Pessoa, de quem gozava confiança e prestígio. Foi nomeado auxiliar no governo João Pessoa como Diretor da Repartição de Água e Saneamento realizando elogiável administração.

Com a explosão da Revolução de 30 e a morte de João Pessoa, destacou-se, Anthenor Navarro, como herói civil do movimento revolucionário ao lado de Juarez Távora, tornando-se exemplo para a juventude combativa e idealista. Assumiu o cargo de Secretário de Interior, Justiça e Instrução Pública,

Era um dos líderes cívis da revolução no estado da Paraíba que ocorreu após o assassinato do presidente João Pessoa. juntamente com José Américo de Almeida e os tenentes Agildo Barata, Juracy Magalhães, Jurandir Bizarria Mamede e Juarez Távora tomaram de assalto o 22º Batalhão de Caçadores hoje 15º BIMtz Batalhão Vidal de Negreiros, do Exercito Brasileiro no bairro de Cruz das Armas.

Também ocuparam a Escola de Aprendizes Marinheiros da Marinha do Brasil e a Capitania dos Portos, na tomada do quartel, o General Alberto Lavenère Wanderley, comandante da guarnição foi ferido em um cerrado tiroteio no batalhão, chegando a falecer, pois era contrário aos conspiradores.

A Revolução se espalhou por todo o estado se alastrou a Campina Grande, Recife, Natal e Fortaleza.

Antenor Navarro foi nomeado no mesmo ano, interventor, ( governador ), quando tinha apenas 31 anos no dia 9 de novembro de 1930. Uma de suas principais obras no governo do estado foi o Porto de Cabedelo.

Seu secretário de finanças era o tenente Matheus Gomes Ribeiro. Ficou no cargo até 1932, quando morre fatalmente em um acidente de avião no litoral da Bahia, na companhia de vários amigos. onde voaja com ele Jose Americo, que sobreviveu,
Em sua homenagem, centenas de ruas, estabelecimentos públicos e até uma cidade, colocaram seu nome.

 

Do livro de Camilo Macedo a ser lançado brevemente

 

 

 

 


Paraíba é o sexto estado do Brasil em redução de mortes violentas no primeiro bimestre de 2019

 A Paraíba foi o sexto estado do Brasil que mais conseguiu reduzir o número de mortes violentas intencionais no primeiro bimestre de 2019. Conforme dados do Monitor da Violência, feito pelo G1 em parceria com o Núcleo de Estudos da Violência da USP, a Paraíba registrou 163 mortes violentas intencionais no primeiro bimestre deste ano, 62 mortes a menos que as 225 registradas nos dois primeiros meses de 2018, equivalente a uma queda percentual de 27,5%.

Apresentaram quedas maiores que a Paraíba os estados de Ceará (57,9%), Rio Grande do Norte (41,9%), Amapá (35,8%) Pernambuco (33,2%) e Sergipe (29,8%). Analisados isoladamente, as autoridades paraibanas registraram uma queda ainda maior isoladamente no mês de janeiro.

Foram 79 mortes neste ano contra 128 em janeiro do ano passado, correspondendo a uma redução de 38,2%. Levando em consideração apenas o mês de janeiro, a Paraíba apresentou a quarta maior redução percentual. Em fevereiro, por sua vez, a queda foi de 13,4% equivalente a diminuição de 97 para 84 mortes violentas intencionais entre 2018 e 2019.

Os dados do Monitor da Violência são abastecidos por informações repassadas pela Secretaria da Defesa e Segurança Social (Seds) da Paraíba por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI) que constam no projeto Monitor da Violência do G1.

Por tipo de crime

Isoladamente, separando os números fornecidos pela Seds na Paraíba por Crime Violento Letal Intencional (CVLI): homicídio, latrocínio (roubo seguido de morte) e lesão corporal seguida de morte, o mais comum registro é o primeiro tipo de crime.


Defesa de Ricardo Coutinho garante que ex-governador não é réu no caso ‘Jampa Digital‘

Paraiba.com.br

A defesa de Ricardo Coutinho divulgou nota com a imprensa no final da manhã desta quinta-feira (18) garantido que o ex-governador não é réu no caso “Jampa Digital”.

VEJA A NOTA NA ÍNTEGRA:

NOTA DE ESCLARECIMENTO PELA DEFESA DE RICARDO VIEIRA COUTINHO

Pela presente, esclareço à imprensa e ao público em geral, que o Sr. Ricardo Vieira Coutinho não figura como réu nos autos do procedimento investigatório que foi distribuído ao 2º Tribunal do Júri da Comarca de João Pessoa/PB;

Cumpre informar, por oportuno, que o referido procedimento se originou no âmbito da Procuradoria da República na Paraíba em razão de uma representação de cunho político onde, entre muitas inverdades, se levantou a suspeita da participação do então governador na morte do jovem Bruno Ernesto, versão essa, como já exaustivamente esclarecido nos autos, não tem nenhum fundamento, porquanto ser inverídica;

Após a remessa dos autos ao Colendo Superior Tribunal de Justiça, tendo como relator o ministro Félix Fischer, o mesmo determinou o cumprimento de diligências com o fito de esclarecer os fatos, o que foi realizado pela Polícia Federal;

Dessa forma, após todo o trabalho de investigação, nada foi produzido que viesse a indicar a menor participação do Sr. Ricardo Coutinho na fatídica morte de Bruno Ernesto, não tendo, portanto, na ótica da defesa, qualquer elemento de prova a embasar uma acusação ministerial;

Registro, portanto, que Ricardo Vieira Coutinho não foi denunciado pelo Ministério Público e, portanto, não é réu nos autos do referido procedimento que a imprensa amplamente divulgou apesar de, como registra a movimentação processual mantida pelo site do TJPB, estar tramitando em segredo de justiça;

A defesa técnica reputa e lamenta, através da presente nota, as informações levianas e desencontradas que, sem a menor apuração quanto à veracidade da situação fática e processual, foram indevidamente publicadas nos portais e redes sociais com a nítida intenção de afetar a honra alheia.

João Pessoa/PB, 17 de abril de 2019

SHEYNER ASFÓRA
Advogado de Ricardo Vieira Coutinho


Ex-líder cita corrupção e precarização da gestão Cartaxo ao lamentar adesão de Raíssa

Bruno Farias salientou incompatibilidade das práticas do prefeito com às suas, rejeitando qualquer possibilidade de adesão

Paraibaja.col.br
Feliphe Rojas Feliphe Rojas 
Vereador diz que gastos excessivos de Cartaxo revelam uso eleitoral da máquina em JP
O vereador Bruno Farias (PPS), ex-líder da oposição na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), comentou a saída de Raíssa Lacerda (PSD) da bancada oposicionista para retornar à base governista de Cartaxo, liderada pelo vereador Fernando Milanez Neto (PTB). Ele disse respeitar a decisão da colega, mas garantiu que jamais teria feito se estivesse no lugar dela.

“Sou oposição ao governo Cartaxo por entender que ele faz uma gestão aquém do que a nossa cidade merece. Sobretudo após as gestões de Ricardo e Agra, João Pessoa ficou mais criteriosa com a avaliação de gestões públicas, e, para mim, com Cartaxo na PMJP [Prefeitura Municipal de João Pessoa], houve uma total precarização dos serviços públicos oferecidos à população, o que obstacula uma aproximação política entre nós”, afirmou.

Para concluir, Farias lembrou dos escândalos recentes de corrupção, o que tornaria uma composição política com o prefeito inviável.

“Além do mais, as denúncias de desvio, sobretudo nas obras da Lagoa e na saúde da capital, somadas a uma divergência que existe entre nós sobre visões em relação à cidade, seus problemas e desafios, impedem essa composição política”, arrematou.


Malba de Jacumã recebia salário dos assessores e cobrou devolução de compra de voto


Informações foram fornecidas por testemunhas durante depoimentos na Delegacia Especializada Contra o Crime Organizado
Redação Paraíba Já Redação Paraíba Já 18 de abril de 2019 às 17:24 1 minuto de leitura

O vereador Malba de Jacumã (Solidariedade) recebia parte dos salários dos seus assessora da Câmara Municipal de Conde, e além disso realizou compra de votos nas eleições 2016. Dentro do caso de compra de sufrágios, o parlamentar chegou a cobrar a devolução da compra de um voto. As informações foram fornecidas por testemunhas durante depoimentos na Delegacia Especializada Contra o Crime Organizado (Decor).

Joselito Carlos revelou que Malba comprou seu voto por R$ 700, mas ao descobrir que ele votaria em outro candidato o vereador foi cobrar devolução do valor. “Eu já tinha gasto R$ 350, devolvi R$ 350. Eu disse ‘voto em quem eu quero’, ele disse ‘quando eu ganhar, você vem atrás de mim‘”, declarou em depoimento.

Já a ex-assessora Gisélia Salustina disse que Malba já a convidou para trabalhar como assessora com a divisão dos valores impostos como condição para o cargo. “Ele me chamou e disse que ia me dar uma ajuda de R$ 400 para dividir com outra pessoa”, afirmou. Ela nunca recebeu ou endossou cheques, sempre recebia o dinheiro vivo das mãos de Malba.

O ex-assessor Diego Sena, que divulgou um áudio que repercutiu nas redes sociais e WhatsApp, revelou que após fazer a denúncia de que era um funcionário fantasma de Malba e que devolvia parte do seu salário para o vereador, a esposa e um assessor dele o procuraram. A condição era um cargo, com valor integral do salário, em troca de seu silêncio


Ex-prefeita do Conde tem contas rejeitadas e TCE imputa débito de R$ 1,3 milhão


Publicado por Lenilson Guedes 

Reunido em sessão ordinária na manhã desta quarta-feira (17), o Pleno do Tribunal de Contas do Estado, à unanimidade, reprovou as contas do município de Conde, exercício de 2016, e responsabilizou a ex-prefeita Tatiana Lundgren Correia de Oliveira pela quantia de R$ 1.3 milhão, decorrente de 24 irregularidades apontadas pela Auditoria, com destaque para falta de processos licitatórios, despesas não autorizadas, sem comprovação e falta de recolhimento das contribuições previdenciárias. O relator do processo foi o conselheiro substituto Oscar Mamede Santiago Melo.

A falta de recolhimento das contribuições previdenciárias ensejou a rejeição das contas da prefeitura de Brejo dos Santos, exercício de 2017, na gestão do prefeito Lauri Ferreira da Costa. Ainda cabe recurso. Foram aprovadas as contas dos municípios de Serra Redonda (2016), Bonito de Santa Fé (2015) e Camalaú (2016).

Os membros da Corte destacaram a aprovação das contas apresentadas pelo ex-prefeito de Camalaú, Jacinto Bezerra da Silva, no exercício de 2016. O conselheiro Nominando Diniz enfatizou os investimentos em obras públicas em torno de R$ 1,3 milhão. O conselheiro André Carlo Torres observou o zelo com a prestação de contas, mesmo posicionamento manifestado pelo conselheiro Marcos Antônio Costa.

O Pleno deu provimento parcial a recurso de reconsideração interposto pelo ex-prefeito de Pitimbú, Leonardo José Barbalho, contra decisão consubstanciada no Parecer PPL TC nº 00110/2018, e Acórdão APL TC nº 00422/2018. O Tribunal manteve a reprovação das contas, no entanto, reduziu o débito imputado, conforme o voto do relator, conselheiro Fernando Catão. A Corte também decidiu, após inspeção especial, imputar débito no montante de R$ 88 mil ao prefeito de Triunfo, José Mangueira Torres, processo 11138/18, face denúncia de déficit no caixa da prefeitura.

Fonte: TCE


“Não vou demorar muito para decidir” diz Romero sobre saída do PSDB


Ontem 17, mais uma vez de forma pública, o prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues (PSDB) admitiu a possibilidade de sair do PSDB e se filiar ao PSD. Em entrevista, Romero revelou que as conversas estão adiantadas junto ao presidente nacional da sigla Gilberto Kassab. “Não vou demorar muito para decidir não”, disse Romero.

Quem também considera grandes as chances da migração do prefeito de Campina para o PSD é o presidente da sigla na Rainha da Borborema o vereador João Dantas. “Romero já foi deputado federal e sua gestão à frente da Prefeitura Municipal de Campina Grande tem se destacado a nível nacional, afirmou Dantas esperançoso com a vinda de Romero.

Romero disse que vem mantando conversas com o ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB), o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) e o deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB) a respeitos da sua saída para que a mesma seja a mais tranquila possível. “Afinal, não se trata de sair do partido de forma raivosa. Tenho conversado com eles justamente para deixar um registro da boa relação”, finalizou.

 

Pbagora.com.br

 

 


Força-tarefa da Lava Jato nega acusação de suposto vazamento de informações

 Certidão para demonstra falsidade da acusação de suposto vazamento
Francine Marquez

Os procuradores afirmam que "Portanto, a tentativa leviana de vincular o vazamento a procuradores da FT "Foto: MPF


Os procuradores que atuam na Operação Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (MPF-PR) enviaram nota à imprensa, nesta quinta-feira (18), para desmentir a acusação de que os integrantes da força-tarefa teriam vazado informações de um processo à revista Crusoé.

A reportagem em questão, afirma que o delator Marcelo Odebrecht confessou aos investigadores que o ministro Dias Toffoi, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) tinha o apelido de “amigo do amigo do meu pai”.

Sendo assim, em nota os procuradores afirmam que “diante de especulações que surgiram no noticiário nos últimos dias, levantando suspeitas ou mesmo acusações na tentativa de vincular supostos vazamentos a procuradores que atuam na operação Lava Jato”, a força-tarefa vêm a público esclarecer que:

1. Certidão com informações extraídas do sistema eproc pela 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, disponível em anexo, demonstra que os procuradores da força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (MPF/PR)só acessaram os autos em que foi juntado o documento de que trata a matéria da Revista Crusoé intitulada “O amigo do amigo de meu pai” às 22:04h de 11/04/2019, portanto, após a publicação da notícia sobre o assunto no site da revista e no site O Antagonista. A referida matéria estava disponível, pelo menos, desde às 20:01h de 11/04/2019, conforme se verifica em anexo.

2. Portanto, a tentativa leviana de vincular o vazamento a procuradores da FT é apenas mais um esforço para atacar a credibilidade da força-tarefa e da operação, assim como de desviar o foco do conteúdo dos fatos noticiados.

3. Diante do fato de que o documento foi produzido por particular e que a ele potencialmente tiveram acesso várias pessoas, a acusação – infundada, como provado – ignora a participação de outros atores no inquérito. Nesse contexto, a acusação direcionada aos procuradores levanta suspeita sobre a isenção de quem a realiza e sobre a real intenção de quem os persegue.

 

Diariodopoder.com.br

 

 


Inquérito aberto no STF pretendia apenas dar ‘freio de arrumação’

 Ministro Dias Toffoli diz que teve de agir em defesa da instituição

Presidente do STF disse que objetivo de inquérito era frear desrespeito fora de controle. Foto: Nelson Jr./SCO/STF


A decisão do ministro Alexandre Moraes, suspendendo a censura a reportagem considerada ofensiva ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), confirma afirmação do próprio ministro Dias Toffoli à coluna, nesta quinta (18), de que a intenção do inquérito é “dar um freio de arrumação” em uma situação sem controle, com grande volume de fake news e insultos a ministros nas ruas, em eventos e redes sociais. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Toffoli lembra que nunca moveu processos contra seus críticos, mas como presidente do STF tinha obrigação de defender a instituição.

Em vez de solidariedade, isolamento: Toffoli e Moraes perceberam que estavam sozinhos, após da nota de Celso de Mello criticando a medida.

Outro ministro veterano, Marco Aurélio, também criticou a censura à revista Crusoé, que preferiu denominar de “mordaça”.

Além de Dias Toffoli, têm enfrentado críticas agressivas, nas ruas e nas redes sociais, ministros como Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski.

Diariodopoder.com,br

 


É preciso passar a limpo as acusações de Wallber contra a imprensa; ou ficaremos todos sob suspeita

 Wellington Farias
Em quase quarenta e três anos de atuação na comunicação, nunca uma autoridade havia feito acusações tão graves contra a imprensa da Paraíba, como agora fez o deputado de primeiro mandato Wallber Virgolino. Pelo menos que eu me lembre, não.

Virgolino partiu para cima da Imprensa com um quente e dois fervendo, como dizemos lá em nosso interior, embora não tenha ficado claro a propósito do que ele tomou tal atitude...

O deputado gravou até um vídeo que circulou pelas mídias sociais (a coluna guarda em seus arquivos), batendo pesado na imprensa.Sem arrodeios, se referiu até a comunicadores que extorquem políticos para que estes digam o que eles querem. É grave, gravíssimo! E nenhum de nós que não adota esta prática pode ser colocado na mesma vala. Eu, como centenas de companheiros, não aceitamos carregar essa pecha sem termos o mínimo de culpa. Se alguém o faz, de fato, que seja apontado e as providências sejam tomadas.

Repito: as denúncias são realmente muito graves e têm que ser apuradas; tudo tem que ser passado a limpo porque, do contrário, cada um de nós (pelo menos aqueles que fazem a cobertura política, sobretudo no âmbito da Assembleia Legislativa) ficará sob suspeita.

Da parte do deputado Wallber Virgolino, o mínimo que há de se esperar é que ele tenha alguma prova ou algum indício forte de tudo o que disse. Do contrário, ficará desmoralizado e com a pecha de um parlamentar irresponsável, do tipo que acha que com denuncismo barato irá intimidar a imprensa. Não estou dizendo que o parlamentar está mentindo, mas apenas alertando que, para fazer tão graves denúncias, no mínimo ele tem que apresentar alguma prova ou indício forte. Se ele tem algo capaz de comprovar suas afirmações que, o quanto antes, revele para que se possa separar o joio do trigo. Não podemos todos nós jornalistas ficarmos sob esta suspeita perante a sociedade. Sobretudo nós que gostamos metera ripa em tudo o que achamos que está errado...

Eu, particularmente, não sou contra a que tudo seja rigorosamente apurado. Muito pelo contrário, sou a favor que toda essa história (ou estória) seja passada a limpo, para que não recaia sobre toda a imprensa (ou mesmo apenas parte dela) a culpa que não lhe cabe.

Wallber Virgolino também se referiu a “baluartes da imprensa que recebem dinheiro da Assembleia e, sequer, põe os pés” lá. Ficou a deixa para a Mesa-Diretora do Poder Legislativo, que terá que apurar mais esta acusação.

E não ficou por aí, o nobre deputado. Disse que irá “encaminhar à Presidência da Casa um pedido de colocação de ponto eletrônico não só para os servidores, não só para os deputados, mas também para o pessoal da imprensa: se recebem, tem que trabalhar;

E o que é pior ainda: anunciou também que fará“expediente ao Ministério Público, para que seja apurada a atuação dessas pessoas, inclusive com suspeitas de extorquir políticos para que estes digam o que eles querem escutar, políticos corruptos; não iremos admitir, e iremos solicitar que seja feito um confronto entre o que eles recebem com o patrimônio que eles detêm. Não iremos nos calar, nem nos intimidar”.

A certa altura, o deputado destacou que há uma grande gama de profissionais de imprensa honestos sérios, que fazem uma imprensa de efetivamentepresta informações. Mas aí, da forma como está dita, todos ficam sob suspeitas, pelo menos até que sejam apontados quem são os tais inescrupulosos a que ele se refere.

Nota do Sindicato

O Sindicato dos Jornalistas da Paraíba emitiu nota a propósito das acusações do parlamentar, nos seguintestermos:

SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS DO ESTADO DA PARAÍBA

NOTA

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado da Paraíba repudia as declarações do deputado estadual Wallber Virgolino por atacar os profissionais de imprensa em um momento em que a liberdade de expressão passa por situação de inegável afronta.

Entendemos que as críticas e acusações do deputado a parte da imprensa da Paraíba são geradas pelo desconforto do parlamentar com a crítica, salutar e essencial, em um estado democrático de direito.

Ressaltamos a integridade de nossa categoria, apesar de entender que alguns, como em todos os segmentos, destoam da correção da maioria, mas repudiamos toda e qualquer generalização.

A Paraíba tem grandes e valorosos profissionais de imprensa que honram a classe, seja com sua militância nas empresas particulares, como no cotidiano dos órgãos públicos.

Cabe ao Sindicato a luta por nossos direitos e dentre eles está a necessidade de respeito às prerrogativas de nosso exercício profissional livre e sem risco de censura.

A DIRETORIA


Após detonar gestão Cartaxo, Raíssa volta a base aliada

O vereador Fernando Milanez Neto, líder do prefeito Luciano Cartaxo na Câmara Municipal, anunciou o retorno da vereadora Raíssa Lacerda à bancada da maioria. De acordo com Milanez, depois de reunião na tarde desta quarta-feira (17) a vereadora Raíssa Lacerda confirmou a importância de seu retorno e apoio aos projetos de desenvolvimento da Capital que vem sendo implantados pela atual gestão. Raíssa Lacerda é a mesma vereadora que durante a campanha eleitoral de 2018, disparou diversas críticas à gestão de Luciano Cartaxo.

A vereadora Raíssa Lacerda disse que seu retorno à bancada da maioria na Câmara é fruto do diálogo com o líder Fernando Milanez, que ela considera um parlamentar de sensibilidade e preocupado com o futuro da Capital. Além disso, ela entende que Milanez fez um chamado para o fortalecimento do Poder Legislativo com uma participação mais efetiva nas decisões do Executivo.

 Raíssa também admitiu que no diálogo com Milanez Neto, e com o secretário de Gestão Governamental e Articulação Política, Hildevânio Macedo, e o adjunto José Bezerra, compreendeu que muitos projetos da gestão do prefeito Luciano Cartaxo são fundamentais para a melhoria da qualidade de vida na Capital e que merecem o apoio do Legislativo.

 "Me sinto representada pela gestão de Luciano Cartaxo quando vejo ações importantes como o Censo do Autismo, já que sou presidente da Frente Parlamentar da Saúde Mental, os projetos voltados à mulher como a Ronda Maria da Penha e Casa Mãe Bebê em frente ao Instituto Cândida Vargas, e pela valorização da minha categoria, o Magistério. Além disso pelos investimentos na infraestrutura da cidade como o LED nas Ruas e o Ação Asfalto", finalizou a vereadora.

 

Já o líder do governo, Milanez Neto, destacou que o compromisso da gestão com a cidade facilita o diálogo com os vereadores e o retorno de Raíssa. “O crescimento de João Pessoa e a melhoria da qualidade de vida da população dependem da união de todos e, especialmente, do apoio à gestão municipal de uma bancada forte e comprometida com o futuro. Raíssa sempre teve compromisso com João Pessoa e sabe que a gestão está no caminho certo e fazendo o melhor para a cidade”, explicou o líder.

 Retrospectiva: Em 2018, em seus discursos, a vereadora não poupava críticas ao governo do prefeito Luciano Cartaxo e fazia um apelo para que a Polícia Federal investigasse melhor o Caso da Lagoa.

 “Estarei aqui fazendo o meu papel. A escrava saiu do tronco e faço um apelo para que a Polícia Federal investigue melhor o Caso da Lagoa. Vim aqui pra fiscalizar e dizer o que estou sentindo”, disse a vereadora fazendo referência à suspeita de desvio de recursos públicos nas obras de reurbanização do Parque da Lagoa Solon de Lucena.

 Ao analisar as eleições de 2018 – A vereadora, avaliava o resultado das eleições na Paraíba exaltando a liderança do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), que conseguiu eleger o seu indicado, João Azevêdo (PSB), além do senador Veneziano Vital do Rêgo e a maioria na Assembleia Legislativa e na Câmara Federal.

“O líder realmente é Ricardo, que derrotou o irmão do prefeito em João Pessoa com mais de 100 mil votos, acho que esse foi o grande marco dessa eleição. O prefeito tem um irmão candidato, mas acho que não trabalhou porque perder por 100 mil votos na cidade”, declarou criticando Luciano Cartaxo, irmão do candidato Lucélio Cartaxo.


Governo Bolsonaro cede e oferece chefias de estatais com projeção regional a partidos

 

Reprodução/NBR

O governo Jair Bolsonaro finalmente cedeu. O ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) fez uma lista de cargos de segundo escalão com grande projeção regional e, na próxima semana, começa a discutir a distribuição dos postos entre os partidos de centro e centro-direita que ele quer aproximar do Planalto. As nomeações se darão dentro dos critérios já estabelecidos. Na lista que foi ditada a deputados entram estatais e autarquias do porte da Codevasf, Sudam e Sudene e Banco do Nordeste.

A elaboração da lista de postos foi comunicada aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e também a presidentes e líderes de partidos. A expectativa é a de que as primeiras indicações chanceladas pelas cúpulas das siglas sejam formalizadas na próxima semana.

A distribuição desses postos não soluciona, mas ameniza a relação dos partidos com o Planalto. Os líderes e deputados estão de olho também nas manifestações de ministros. “Não pedimos nada. Foi oferecido”, diz um deles, que conclui avisando que o governo precisa arcar com os acenos que faz para ter credibilidade política.


Sidebar Menu