Sandoval Moreno de Oliveira - Atividades do primeiro semestre de 2018

1 – Grupo Paraibones – CCHLA/UFPB...............................19 de fevereiro
2 – Professor no I Encontro de Trombonistas da Mata Norte de Pernambuco na cidade de Condado - PE............................. 09 de março.
3 – Banda Sinfônica José Siqueira-UFPB/CCTA....................27de março
4 – Grupo Paraibones..SINCASP.............................................11 de abril
5 - Banda Sinfônica José Siqueira-UFPB/CCTA.......................24 de abril
6 - Grupo Paraibones - PROGEP-UFPB.................................27 de abril
7 - Professor no I Encontro de Trombonistas e Regência na cidade de Belém do São Francisco – PE..............................................28 e 29 de abril
9 - Grupo Paraibones - III CREPEAFE..................................11 de maio
10 – Solista-Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa.......12 de maio
11 - Grupo Paraibones - UFPB/CCHLA..................................16 de maio
12 - Grupo Paraibones - UFPB/CCHLA..................................18 de maio
13 – Banca do Recital de Conclusão de Curso -UFPB/CCTA.....28 de maio
14 - Banda Sinfônica José Siqueira-UFPB /CCTA .................05 de junho
15 – Banca Examinadora área de Metais do PSCE de Música...09 de junho
16 - Banca Examinadora área de Metais do PSCE de Música...10 de junho
17 - Banca do Recital de Conclusão de Curso - CCTA..............12 de junho
18 – Mostra José Siqueira CCTA..............................................14 de junho
19- Grupo Paraibones............. TRT/PB..................................14 de junho
20 - Banca do Recital de Conclusão de Curso - CCTA.............16 de junho
21 - Banda Sinfônica José Siqueira-UFPB – CCTA.............. ...19 de junho
22 - Banca do Recital de Conclusão de Curso – CCTA.............22 de junho

PATICIPAÇÃO EM PROJETOS DE EXTENSÃO
1 – Edital Probex 2018.......Circulo Musical Joaquim Pereira e Grupo Paraibones.
2 – Edital Prolicen 2018....................................................................Círculo Musical José Siqueira, Acordes Eficientes, a Banda de Música na Academia, Concertos Didáticos...
3 – Edital-UFPB no Seu Município.2018........................................Quarteto de Trombones-UFPB
4 – Coordenação da Banda Sinfônica José Siqueira
5 – Coordenação do Quarteto de Trombones da Paraíba


Veneziano destaca R$ 1,7 bilhão investidos por Ricardo Coutinho em Campina Grande

O pré- candidato a senador pelo PSB nas eleições desse ano, Veneziano Vital destacou nesta feira (13) as obras, ações e serviços que vem sendo executados pelo Governo do Estado em Campina Grande.

De acordo com ele, na gestão de Ricardo Coutinho já foram investidos recursos da ordem R$ 1,7 bilhão. " Não é brincadeira o que o governador e João Azevedo vem fazendo por Campina Grande em um curto espaço de tempo", destacou.

Na noite desta sexta-feira, Veneziano participou da plenária do PSB na cidade de Bayeux, ao lado de João Azevedo e Ricardo Coutinho. "Esses encontros servem para alavancar e aquecer o processo eleitoral e a candidatura de João Azevedo ao Governo do Estado", destacou.


João em CG: “nosso novo jeito de fazer gestão enterrou a velha forma de fazer política na PB”

Por Redação Paraíba Já 

João em CG: “nosso novo jeito de fazer gestão enterrou a velha forma de fazer política na PB”“Nosso novo jeito de fazer gestão, enterrou a velha forma de fazer política na Paraíba”. Declarou o pré-candidato a governador João Azevêdo (PSB) neste sábado (14), durante encontro do PSB com lideranças da região da Borborema, em Campina Grande, na AABB.

João Azevêdo disse que acredita na formação de uma chapa vitoriosa até o dia cinco de agosto e que ao longo desta caminhada, diversos prefeitos e a própria população estão tendo a compreensão de que este projeto, que vem fazendo bem a Paraíba, precisa ter continuidade para promover novas mudanças. João destacou os investimentos de mais de R$ 1,7 bilhão em Campina, por si só, esvaziam o discurso da oposição e valem mais do que qualquer declaração em verso e prosa de amor a Campina. “Essa caminhada que vem transformando a Paraíba terá a maior vitória de um projeto e da mudança conceitual na forma de fazer política”, completou João Azevêdo.

Presidente de honra do PSB na Paraíba, o governador Ricardo Coutinho chegou a AABB junto com os pré-candidatos a governador João Azevêdo, do pré-candidato a senador Veneziano Vital (PSB), de pré-candidatos a deputado federal e estadual, além de lideranças da região que foram recebidos de forma calorosa pela militância girassol.

João em CG: “nosso novo jeito de fazer gestão enterrou a velha forma de fazer política na PB”

Diversas lideranças, entre eles os prefeitos Nelinho (Cacimba de Dentro), Nobinho (Esperança), Jeferson (São José dos Cordeiros), Silvado Dudu (Caraúbas), João Paulo (Boqueirão), João Batista (Barra de São Miguel), Jurandir (Taperoá), Kleber (Junco do Seridó), Geraldo Moura (Soledade), Lucio (Itabaiana), Josa (Parari) e Zé João (Caturité), além de ex-prefeitos e dos deputados Buba Germano, Adriano Galdino, Doda de Tião participaram do encontro.

O governador Ricardo Coutinho afirmou que se de um lado, o pré-candidato ao governo João Azevêdo tem história e ações por toda a Paraíba, a oposição não tem sequer um discurso, uma história, não têm o que falar do futuro porque as suas práticas ficaram no passado. “A Paraíba estará nas melhores mãos com a vitória de João Azevêdo”, completou.

Ricardo lamentou que a oposição faça a briga do poder pelo poder com a ação de um senador que envergonha a Paraíba. “Desde a queda da presidente Dilma que o governo do estado vive um fogo cruzado pela ação de um senador que conspira dia e noite para impedir a chegada de recursos federais para a Paraíba. “Mesmo assim, com a ajuda do deputado federal Veneziano, de outros parlamentares e do povo da Paraíba, não só passamos, como estamos vencendo a crise com obras, investimentos e a melhoria de todos os indicadores sociais e econômicos”.

João em CG: “nosso novo jeito de fazer gestão enterrou a velha forma de fazer política na PB”

O pré-candidato ao Senado, Veneziano Vital, convocou a militância de Campina a “arregaçar as mangas” e se multiplicar no desafio de lutar para que a Paraíba continue avançando. “Estamos aqui com pessoas com compromisso de construir o futuro e que enxergam em João, a pessoa mais qualificada para que a Paraíba continue superando seus desafios até porque ele já mostrou que sabe fazer.”

“Quando João Azevêdo vem à Campina e garante a implantação do VLT (veículo Leve sobre Trilho) a população sabe que ele vai fazer e quando João fala que daqui há três anos garantirá a segurança hídrica para todo o estado, o povo sabe que vai fazer porque fez 1500 km de novas adutoras e determinou o fim do racionamento. “É por isso que não temos receio de irmos às ruas e olharmos no olho de cada cidadão, porque honramos nosso mandato em Brasília e defendemos um projeto de gestão de realizações e que deu certo”, completou.


ESTADÃO: Investigado na Lava Jato, Cássio pede arquivamento de inquérito

Publicado por: Amara Alcântara em 14/07/2018 às 04:04

Polemica Paraiba
O senador paraibano Cássio Cunha Lima foi protagonista em uma reportagem do Estadão, veiculada neste sábado (14), por ter pedido o arquivamento do inquérito que o investiga por supostamente ter recebido propina da Odebrecht na campanha eleitoral de 2014.

Leia Também: RESULTADO DA ENQUETE: internautas não acreditam na desistência de Maranhão e Cássio
Cássio foi delatado por dois colaboradores premiados que eram ligados à empreiteira, Alexandre Barradas e Fernando Reis. O segundo disse, em depoimento, que o tucano teria se comprometido a privatizar a Cagepa em favor do grupo empresarial como contrapartida pelos recursos recebidos: R$ 800 mil.

O senador, assim como os colegas de PSDB José Serra (SP) e Dalírio Beber (SC), Rodrigo Garcia, do DEM de SP, e o ministro tucano Aloysio Nunes, senador afastado, alegam falta de provas e fragilidades nas delações para a petição do arquivamento.

Leia a matéria na íntegra:

A sequência de arquivamentos de inquéritos por ministros do Supremo Tribunal Federal no mês passado, contrariando a Procuradoria-Geral da República, levou cinco parlamentares citados na delação da Odebrecht a solicitar à Corte o mesmo tratamento para as investigações das quais são alvo.

Já protocolaram pedido de arquivamento os senadores do PSDB José Serra (SP), Dalírio Beber (SC) e Cássio Cunha Lima (PB), o deputado Rodrigo Garcia (DEM-SP) e o ministro Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), que é senador afastado.

Todos pedem aos ministros Gilmar Mendes e Rosa Weber, relatores dos casos no Supremo, que seus inquéritos sejam extintos por falta de provas, fragilidade nas delações e excesso de prazo.

Foram esses os argumentos usados pelos ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes e Dias Toffoli para negar continuidade a seis inquéritos abertos no ano passado com base na colaboração da Odebrecht.

Na avaliação de um ministro do STF ouvido em caráter reservado, as recentes decisões chamam atenção para a “fragilidade” do acordo da empreiteira. Já para procuradores e delegados da Polícia Federal que atuam na Lava Jato, elas são motivo de preocupação. Eles veem a medida como mais um obstáculo às investigações, que chegam a uma fase decisiva na Corte, e que põe em xeque o potencial do acordo da Odebrecht.

A discussão sobre o tema deve ser reaberta no Supremo em agosto, tanto na análise dos novos pedidos quanto na apreciação de recursos da Procuradoria contra os arquivamentos já definidos. A Procuradoria quer que o caso do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) e o dos senadores Omar Aziz (PSD-AM) e Eduardo Braga (MDB-AM) sejam enviados à primeira instância, após o próprio Supremo limitar o alcance do foro para parlamentares federais.

Já a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, decidiu na segunda-feira passada, dia 9, prorrogar dois inquéritos abertos com base na delação e disse que a continuidade das investigações é um direito da sociedade. “O princípio constitucional da razoável duração do processo impõe-se em benefício da continuidade da ação em respeito ao direito à sociedade”, disse a ministra.

Os inquéritos prorrogados por Cármen foram abertos em abril do ano passado. A decisão reflete um entendimento de que a duração, de 1 ano e 3 meses, não é excessiva, embora reconheça que não pode haver adiamentos perpetuamente. “O direito ao processo penal sem procrastinação é da vítima, do réu e da sociedade”, afirmou a presidente do Supremo ao conceder mais 30 dias “para a conclusão das investigações”.

O presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), José Robalinho Cavalcanti, criticou os arquivamentos. “Se o Judiciário abre a hipótese de arquivamento sem pedido do Ministério Público, é natural que cada uma das defesas entre com pedido semelhante.” A avaliação é rebatida pelo presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Fernando Mendes, para quem o STF tem o poder de controle da atuação judicial.

Perícia
A perícia dos sistemas de propina da Odebrecht também é citada pelas defesas. Ao arquivar três inquéritos, Gilmar e Toffoli entenderam que a análise dos sistemas não traria elementos novos. “A única diligência pendente solicitada pela autoridade policial (perícia nos sistemas de comunicação) é absolutamente desnecessária, como já asseverado por V. Exa”, disse a defesa de Aloysio ao pedir a Gilmar o arquivamento. “Quem não pode denunciar, não pode arquivar”, rebateu a Procuradoria, que defende o envio do inquérito à primeira instância.

Continuidade
O presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Fernando Mendes, disse que a entidade não vê “nenhum problema” no arquivamento, pelo Supremo Tribunal Federal, de inquéritos sem pedido da Procuradoria-Geral da República.

“Se o Supremo, analisando os elementos de prova, avalia que não há nada que justifique a continuidade, e do outro lado o Ministério Público não traz elementos de maneira que motive a necessidade de continuação, o STF exerce seu papel de controle. Papel que não só pode como deve ser feito”, afirmou Mendes à reportagem.

Presidente da Ajufe desde junho, Mendes avaliou que a Procuradoria deve comprovar a necessidade para que as investigações sejam mantidas. “Passado tempo razoável de investigação sem que elementos mínimos tenham sido apresentados, o Ministério Público não pode deixar esse inquérito aberto ad infinitum, sem uma justificativa plausível”, afirmou o magistrado.

“O STF tomou decisão em casos específicos, não no plenário, que de alguma maneira cria um precedente concreto. Não dá para afirmar que vai criar uma cultura”, disse Mendes.

Fonte: Estadão

Créditos: Estadão


Ricardo diz que apoio a Lula caberá ao PSB e que sua posição “independe do PT local”

Jose Marques
Jose Marques


Governador voltou a defender a candidatura do ex-presidente, mas jogou decisão para Diretório
Por: Blog do Gordinho

 

O governador Ricardo Coutinho (PSB) aproveitou o encontro com teve com a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, para garantir que seu apoio pessoal ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva está mantido, mas que a decisão partidária caberá ao PSB. Lula, preso desde abril deste ano na sede da Polícia Federal, em Curitiba (PR), é apontado como pré-candidato pelo PT e a legenda busca adesão de outros partidos ao projeto.

“Minha posição independe do PT local”, garantiu o governador ao comentar sobre sua visão democrática e a possibilidade de a sigla na Paraíba não apoiar a candidatura de João Azevêdo ao Governo do Estado. O socialista afirmou que, durante o encontro, lhe foi pedido o apoio do PSB local à aliança com PT Nacional e Ricardo argumentou que a decisão será tomada pelo partido: “A qual seguirei”, garantiu.

O governador, no entanto, voltou a defender a pré-candidatura do ex-presidente afirmou que o Brasil só terá paz se tiver eleições limpas e abertas. “Quem faz a pacificação é a escolha do eleitor. Quem tem que julgar Lula é o povo. Se o povo achar que ele não deve ser o presidente ele não será, e ai encerrou o ciclo do Lula no país. Mas tomar certas medidas simplesmente para fazer com que favoreça-se um determinado cenário eleitoral é equivocado e o Brasil continuará pagando muito caro por tudo isso”, sustentou.

Sobre provocações da oposição em relação à pré-candidatura de João Azevêdo ao Governo do Estado, relacionadas à escolha do socialista, o governador preferiu não rebater. “É o momento de calar”, disse.


Democratas reúne prefeitos e lideranças políticas em apoio a João Azevêdo e Veneziano

 O presidente estadual do Democratas na Paraíba, Efraim Morais, e o deputado federal Efraim Filho reuniram diversos prefeitos e lideranças políticas em apoio aos pré-candidatos a governador, João Azevêdo (PSB), e ao Senado Federal, Veneziano Vital do Rêgo (PSB). O encontro aconteceu neste sábado (14), no município de Várzea, no Sertão paraibano.

De acordo com Efraim Morais, a Paraíba tem discernimento e consciência política para escolher o melhor nome para o Governo do Estado, neste caso, João Azevêdo. “A Paraíba não pode retroceder. Ela precisa avançar e avança elegendo João como futuro governador. Eu não tenho a menor dúvida que este não é um pensamento de uma pessoa, de um político ou de um presidente de partido. Esse é um pensamento da Paraíba. Só se avança com a eleição de João Azevêdo. Estou confiante. A Paraíba sabe escolher e vai escolher o melhor. E esse melhor é João para suceder Ricardo Coutinho”, afirmou.

Ele ainda reafirmou o compromisso que o Democratas tem para com o destino do Estado, no fomento de novas políticas públicas e no desenvolvimento socioeconômico e político. “Nós temos um compromisso com a Paraíba e este compromisso é dar continuidade ao trabalho que tem sido feito nos últimos sete anos e que tem sido desenvolvido por Ricardo e por toda essa equipe no qual João tem sido peça mestre, peça fundamental”, disse.

Para o deputado federal Efraim Filho, o pré-candidato socialista é o mais preparado para assumir o Governo do Estado a partir de 1º de janeiro de 2019. “Nós entendemos que o nome de João Azevêdo é de alguém que está preparado a dar continuidade a um governo que ganhou a admiração, o respeito e a aprovação do povo paraibano e por conhecer este Estado, as obras e soluções, é João a pessoa mais capacitada para poder governar os destinos de nosso povo, de nossa terra”, destacou.

Durante o evento, João agradeceu o apoio recebido por diversas representações políticas paraibanas. “Isso demonstra claramente a tradição da família e o prestígio do político que tem a família de Efraim Morais, junto com Efraim Filho. Isso é liderança. Nós fizemos uma caminhada pela Paraíba e diversos municípios de nosso Estado está participando de um evento como esse. Para mim é uma alegria muito grande, principalmente por ter recebido o convite”, declarou.

Participaram do evento os prefeitos de Várzea, Toninho (DEM), de São José do Sabugi, Segundo (DEM), São Mamede, Jefferson Morais (DEM), São Bento, Jarques (DEM), Solânea, Kaiser Rocha (DEM), de Itapororoca, Elissandra (DEM), de Santa Cecília, Beto de Chico (DEM), de São João do Cariri, Cosme (DEM), de Juripiranga, Dr. Paulo (PSB), de Lastro, Dr. Athaíde (PSB), de Barra de Santa Rosa, Neto (DEM), e, Caaporã, Kiko (PDT).

Também estiveram presentes os ex-prefeitos de Salgado de São Felix, Adaurio (DEM), de Paulista, Severino (PTB), além de vereadores aliados do município de Santa Luzia e o deputado estadual Buba Germano (PSB) e o pré-candidato a deputado estadual Raoni Mendes (DEM).(da Assessoria do PSB)

Blogdotiaolucena.com.br

 


Imóveis de José Dirceu serão leiloados com até 50% de desconto

 
Vera BatistaServidor
Bens do ex-ministro José Dirceu sequestrados na Operação Lava Jato estão disponíveis para lances até dia 16 de julho,por pouco mais de R$ 4 milhões no total. Preso em 2015 na 17ª fase da Lava Jato, ele foi condenado duas vezes por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro. Já havia sido condenado no processo do mensalão do PT por corrupção ativa

Foto: Reprodução/Internet

São os últimos dias do leilão dos três imóveis atribuídos ao ex-ministro José Dirceu, comente pela internet. Os bens estão disponíveis na 2ª praça do leilão, que encerra no dia 16 de julho, com até 50% de desconto. O leilão é realizado pela Marangoni Leilões, por meio da plataforma de leilões judiciais online Canal Judicial. O arrematante deverá bancar a comissão paga ao leiloeiro, de 5% – não inclusa no valor do lance.

As ofertas envolvem uma chácara de 2.300 m², em Vinhedo, no interior de São Paulo, com valor inicial na 2ª praça de R$ 900.000, além de uma casa de 200 m², localizada no bairro da saúde, na Zona Sul de São Paulo, que estava à venda na 1ª praça por R$ 750.375 mil e agora, na 2ª praça, está disponível pelo lance inicial de R$ 375.187,50.

O lote de maior valor, um prédio comercial em Moema, também na Zona Sul da capital paulista, está disponível no leilão com o novo preço inicial de R$ 3 milhões. Na 1ª praça, o valor do imóvel era de R$ 6 milhões. Trata-se do imóvel onde era a sede da JD Assessoria, uma empresa de consultoria de Dirceu.

Os lances e o acesso as informações sobre os imóveis pleo link http://www.canaljudicial.com.br/auction/index.htm?auction_id=67292

SERVIÇO

Leilão de imóveis de José Dirceu – Operação Lava Jato

Data e horário: 16 de julho, às 14h.

Realizador: Marangoni Leilões

Plataforma: Canal Judicial

Link: http://www.canaljudicial.com.br/auction/index.htm?auction_id=67292


Mais ou menos Excelências - Marcos Pires

 É sim, é aos Ministros do STF que me refiro. Vamos relembrar? Gilmar Mendes disse que Lewandowski fazia coisas heterodoxas, bastando ver o que ele havia feito no Senado quando da cassação do mandato de Dilma. Lewandowski rebateu dizendo que não seguia o exemplo de Gilmar e que bastava ver o que ele, Gilmar, fazia diariamente nos jornais. Gilmar cortou a conversa: “- Faço isso inclusive para poder reparar os absurdos que Vossa Excelência faz”.

Recentemente o Ministro Barroso atacou o sorridente Gilmar: “ – Me deixe fora desse seu mau sentimento. Você é uma pessoa horrível, uma mistura do mal com o atraso e pitadas de psicopatia”. No momento mais grave disse: “- Vossa Excelência não tem nenhum patriotismo, está sempre atrás de algum interesse que não é o da Justiça”. Qual será o interesse, leitores amigos?

Isso é pouco. Barroso disse que Gilmar era leniente com o crime do colarinho branco e que não trabalhava com a verdade. Sem negar sequer que era mentiroso, Gilmar retrucou dizendo que não era advogado de bandidos internacionais, referindo-se à defesa que Barroso fizera de Cesare Battisti.

Não vou cansar vocês citando somente esses dois personagens. Vale lembrar que Joaquim Barbosa já acusou Lewadowiski de fazer chicana no STF. Por falar em Lewandowiski, lembro quando Gilmar referindo-se a ele disse: “- Eu não sou de São Bernardo (berço de Lewandowski) e não faço fraude eleitoral”. Então existem entre as Excelências acusações de chicana, heterodoxia, fraude eleitoral, mentira, complacência com criminosos, psicopatia... enfim, eles se conhecem muito bem.

Agora vamos à História (com H maiúsculo). Em 1964 o AI-2 aumentou de 11 para 16 o número de Ministros do STF para garantir maioria no Tribunal em favor do regime militar. Em janeiro de 1969 o mesmo regime aposentou 3 Ministros do STF. Dois outros Ministros, corajosos e honrados, renunciaram em protesto. Estava resolvida a questão, tanto que logo em seguida o AI-6 voltou o número de Ministros do STF para os 11 originais.

A diferença entre aquela época do regime militar e agora é que o STF não precisa mais das forças armadas para ser diminuído, ele mesmo está cuidando disso.

É como disse o locutor de uma estação de rádio no interior do Ceará quando Hitler perdeu a guerra: “- Bem que eu avisei daqui ao senhor Hitler, mas ele se fez de doido...deu no que deu”.


Matador de ex-namorada no DF há 31 anos já cumpre pena na Alemanha desde abril

 Marcelo Bauer esteve foragido or 31 anos, até ser preso em Berlim

Marcelo Bauer e Thais Muniz Mendonça - Reprodução


Condenado a 14 anos de prisão por assassinar a ex-namorada Thais Muniz Mendonça, no Distrito Federal, em 1987, Marcelo Bauer foi preso na Alemanha e já cumpre pena desde 25 de abril. A informação foi repassada ao Ministério Pùblico Federal (MPF) esta semana, pelo governo alemão esta semana.

Bauer estava foragido há 31 anos, quando fugiu para a Europa após ser denunciado pelo Ministério Público pelo crime cometido em julho de 1987. O condenado pelo homicídio qualificado conseguiu cidadania europeia, o que impediu sua extradição de volta para o Brasil para cumprir sua pena .

Thais Muniz Mendonça era estudante de letras da Universidade de Brasília (UnB) à época do crime.

Marcelo Bauer ingressou no Centro Penitenciário de Bayreuth em 25 de abril deste ano. E por ter cidadania alemã, Marcelo Bauer cumprirá a pena naquele país, com previsão de libertação somente em 24 de abril de 2032.

Com a ajuda do pai – o coronel Rudi Ernesto Bauer, que atuava no Serviço de Inteligência da Polícia Militar do DF –, Marcelo Bauer fugiu do Brasil logo após cometer o crime. A efetivação da prisão foi informada em reunião entre integrantes da Secretaria de Cooperação Internacional (SCI/MPF) e da adidância policial alemã, esta semana.

Para o secretário adjunto da SCI Carlos Bruno Ferreira o desfecho do caso é significativo: “É uma grande vitória da Justiça e da cooperação internacional que, após mais de 31 anos do brutal homicídio de Thais Mendonça, tenhamos conseguido na Alemanha a execução da pena para o assassino. É uma demonstração de que as distâncias físicas e de tempo não diminuem a persistência do Ministério Público em buscar a aplicação da lei penal aos culpados”, comentou, completando que a SCI acompanha o processo desde 2013.

Relembre o caso

Marcelo Bauer foi condenado à revelia pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, em abril de 2012, a 18 anos de prisão pelo sequestro, asfixia por substância tóxica e assassinato – com 19 facadas e um tiro na cabeça – da estudante, que tinha 19 anos. Após o julgamento de apelação criminal, a pena foi reduzida para 14 anos de reclusão.

A prisão preventiva de Marcelo Bauer foi decretada em 1987, mas o então estudante fugiu do Brasil. Bauer foi encontrado 13 anos depois do crime, em Aarhus, na Dinamarca. Ele chegou a ser preso naquele país, em 2000, pela Interpol, que encontrou com o brasileiro passaportes falsos em nome de Sinval Davi Mendes.

O Ministério da Justiça solicitou a extradição de Bauer à Dinamarca, mas ele entrou com pedido de cidadania alemã e seguiu para aquele país. Desde 2002, o condenado mora em Flensburg. O Brasil também pediu a extradição à Alemanha, que foi negada em função da cidadania.

Atuação do MPF

Em 2016, a Procuradoria-Geral da República (PGR), por meio da SCI, enviou à Alemanha um reforço ao pedido de condenação de Marcelo Bauer. A solicitação inicial foi feita em 2011, quando o Brasil enviou a cópia do processo e a transmissão do caso para a Justiça alemã, diante da inviabilidade da extradição de Bauer, que tem dupla nacionalidade. Foi solicitada a localização e a oitiva de testemunhas, além de ter sido remetido o perfil do DNA da vítima. A partir do pedido alemão, o juízo da Vara de Execuções Penais do DF autorizou a transmissão do caso ao país europeu e solicitou, alternativamente, a homologação da decisão condenatória.

O pedido inicial alemão foi encaminhado pelo Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Internacional (DRCI) do Ministério da Justiça à PGR, que submeteu o caso ao Superior Tribunal de Justiça. A documentação foi encaminhada à SCI em 2013, quando foi feita a tradução dos documentos para o alemão, e transmitida ao país europeu. Desde então, houve constantes contatos entre as autoridades dos dois países, que culminaram no início da execução da pena na Alemanha. (Com informações da Secretaria de Comunicação Social PGR)

Diariodopoder;com.br

 


Cristiane Brasil chama ministro Fachin de vagabundo, em troca de mensagens

 Xingamento está em celular apreendido pela Polícia Federal

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.

A deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), alvo da Operação Registro Espúrio, chamou o ministro Edson Fachin, relator da investigação no Supremo Tribunal Federal (STF), de vagabundo numa troca de mensagens de celular.

Em 2 de junho, três dias após a Polícia Federal cumprir os primeiros mandados expedidos pelo magistrado contra investigados do Ministério do Trabalho, ela comentava com o então ministro da pasta, Helton Yomura, a possibilidade, especulada na imprensa, de Fachin ressuscitar o imposto sindical – o tributo foi extinto no ano passado pela reforma trabalhista.

“Olha esse vagabundo mostrando pra que veio”, escreveu.

Fachin era o relator de ação que questionava a constitucionalidade da mudança na legislação. Ele decidiu, no entanto, enviar o caso para análise do plenário do Supremo.
Em 29 de junho, o colegiado decidiu pela validade da norma. Alguns minutos depois de provocado pela congressista, Yomura enviou reportagem sobre o caso e um comentário: “Estamos atentos”.

Delegado vê ofensa mais ampla

A PF tratou o diálogo como um caso de maior amplitude. “Registro aqui que a ofensa gratuita proferida contra Vossa Excelência – que é publicamente reconhecido como um dos magistrados mais sérios e competentes deste país – reverbera sobre todo o sistema de persecução penal”, escreveu o delegado Leo Garrido de Salles Meira em documento de 22 de junho, no qual requereu medidas contra vários investigados.
O celular de Cristiane foi apreendido por ordem de Fachin em 12 de junho. As mensagens do aparelho serviram para a PF embasar uma nova etapa da operação, no último dia 5 de julho.

Em nota, Cristiane Brasil afirmou que “o vazamento de uma conversa não relacionada com as investigações extrapola a liberdade de imprensa e a proteção da fonte, aviltando o direito à privacidade e a prerrogativas parlamentares”.

A congressista acrescentou que se vê obrigada a, logo nos primeiros horários da segunda feira, “pedir a abertura de investigação para apuração dos fatos”. “Qual é a importância dessa informação, além de criar uma intriga entre ela e o ministro? Esse vazamento transcende o interesse público.” (Folha Press)


Alckmin aposta que, sem tempo na TV, candidatura Bolsonaro vai ‘desidratar

 Tucano confia em bom tempo de TV para reverter favoritismo

Por enquanto, o desempenho de Geraldo Alckmin nas pesquisas é modestíssimo.

O presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP), deu uma boa notícia ao PSDB, nesta sexta (13), anunciando o apoio iminente à candidatura presidencial de Geraldo Alckmin. Tanto o ex-governador quanto Freire acreditam na “desidratação” do líder nas pesquisas, Jair Bolsonaro (PSL), que soma apenas 44 segundos de tempo na TV, e na consolidação da alternativa do “centro democrático” representado por Alckmin, que espera somar tempo vinte vezes maior no horário gratuito. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Roberto Freire alerta para decisões que geram insegurança jurídica, inclusive no STF, irritando o eleitor e o empurrando para Bolsonaro.

Alckmin espera somar tempo de TV de outros partidos ao do PSDB para chegar a dez minutos diários. Para ele, mais que suficientes.

O ex-governador perde para Bolsonaro em todas as pesquisas, inclusive em São Paulo, onde se vê “tecnicamente empatado”.

Diariodopoder.com.br

 


Prisão de 100 dias de Lula já custou aos brasileiros mais de R$1 milhão

 Presos custam em média R$1,4 mil ao mês; Lula custa R$10 mil por dia

Lula chegando a Curitiba dia 7 de abril no primeiro dia de prisão


A prisão especial de Lula, gentilmente decidida pelo juiz federal Sérgio Morto, completa 100 dias neste domingo e já custou R$1 milhão aos cofres públicos. Condenado a 12 anos e 1 mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em vez de cumprir a pena em penitenciária comum do Paraná, onde foi condenado, ou de São Paulo, onde morava, Lula tem na carceragem da PF “sala” e banheiro individual e banho quente, além de TV, ao custo diário de R$10 mil. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Comparada a presídios comuns, a prisão é precária. E atrai adoradores e malucos variados, que põem em risco a segurança do próprio Lula.

Se fosse enviado para presídio de São Paulo, Lula ficaria mais perto da família, custaria R$ 1,4 mil/ mês e o bolso do contribuinte agradeceria.

Em média, cada preso no Brasil gera um custo mensal de R$ 2,5 mil. Um dia da prisão especial de Lula equivale a 4 meses do gasto normal.

No Amazonas, onde o custo está entre os mais altos, o gasto por preso é pouco mais de R$ 4 mil por mês, ou cerca de 10h de prisão de Lula.

 

Diariodopoder.com.br

 

 


Sidebar Menu